Brasília (DF)

O valor do salário mínimo para suprir as necessidades de um trabalhador e sua família, em dezembro, ficou em 1.803,00. O valor foi divulgado ontem pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O montante representa 4,5 vezes o valor do salário mínimo atual (R$ 380,00) e ficou R$ 80,00 acima do calculado pela entidade em novembro. A base para o salário é São Paulo.

A apuração faz parte da Pesquisa Nacional da Cesta Básica que, também em dezembro, apontou que o preço da cesta básica subiu em 15 das 14 capitais avaliadas, com a forte alta no custo dos produtos alimentícios essenciais. Apenas no Rio de Janeiro apresentou pequena variação negativa (-0,24%).

Em todas as localidades, a elevação superou o reajuste de 8,57%, que será aplicado ao salário mínimo em abril. No ano, as maiores altas foram registradas Aracaju (24,38%), Goiânia (24,21%) e Belém (20,90%), sendo que as menores variações foram verificadas em Curitiba (11,46%), Brasília (12,44%) e Florianópolis (13,8%).

O maior custo para o conjunto de produtos básicos foi apurado em São Paulo (R$ 214,63), que se manteve, pelo segundo mês consecutivo como a capital com a cesta mais cara. Porto Alegre (R$ 212,92) e Belo Horizonte (R$ 204,80) vieram a seguir. João Pessoa (R$ 155,09) e Recife (R$ 155,41) apresentaram os menores valores aos gêneros alimentícios essenciais.

Para adquirir a cesta básica, o trabalhador precisou cumprir em média 106 horas e 09 minutos. A jornada é a segunda maior registrada em 2007, quase cinco horas a mais que o exigido em novembro.