Foto: Reprodução

Os meninos desaparecidos em 27 de dezembro de 2020, em Belford Roxo, Rio de Janeiro, foram assassinados pelo gerente de tráfico de drogas da região. A motivação teria sido o roubo de uma gaiola de pássaros em uma feira de animais pelas crianças.

O chefe do tráfico, Wilton Quintanilha, conhecido como Abelha, deixou o presídio ilegalmente e, na saída, cumprimentou o então secretário estadual de administração penitenciária.

A investigação indica que, ainda na prisão, Abelha autorizou Wiler da Silva, gerente do tráfico da região onde os meninos moravam, a espancar os garotos, que não resistiram aos ferimentos. De acordo com a polícia, Abelha não teria sido avisado que as vítimas eram crianças.

A delegacia de homicídios ainda não encerrou as investigações, mas já concluiu que a repercussão do caso irritou o traficante Abelha, que ordenou a execução do assassino dos meninos. O inquérito se baseou, principalmente, no depoimento de testemunhas.

O paradeiro de Lucas Matheus, de 8 anos, Alexandre da Silva, de 10, e Fernando Henrique, de 11, ainda é desconhecido. Os corpos teriam sido jogados em um rio, mas buscas só acharam um osso de animal. Por medo, as famílias não comentam mais o caso, diz a Defensoria Pública.

*Com informações de SBT News

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul