Priscila Alano
Tubarão

O vazamento de combustível dos tanques de posto desativado em Imbituba preocupa as autoridades ambientais. Técnicos da Fatma ainda investigam para descobrir quantos tanques romperam-se e qual o tipo de combustível contaminou o solo e o lençol freático. O proprietário do estabelecimento terá de recuperar toda a área afetada.

O gerente regional da Fatma em Tubarão, Rui Bonelli Bittencourt, explica que os tanques começaram a ser retirados nesta sexta-feira. A princípio, a suspeita é que tenha vazado gasolina e óleo diesel. “Vamos autuar os três últimos proprietários. No local foram colocadas barreiras para reter o produto. Ainda não sabemos quantos litros vazaram”, afirma Rui.

O combustível acumulou no solo. Com as fortes chuvas que castigam a região há duas semanas, os líquidos escorreram para a rede de drenagem e, por fim, chegaram ao córrego. A água desemboca na Lagoa de Ibiraquera. Até agora não há indícios de que a lagoa tenha sido contaminada.

Rui chama a atenção dos proprietários de postos e salienta que o fato é um alerta para seguirem as recomendações dos fabricantes dos tanques. “Cada equipamento tem um prazo de validade diferente. É necessário efetuar a substituição conforme as orientações para evitar problemas. Este caso de agora é um exemplo de transtorno que poderia ter sido evitado”, considera o gerente regional.