Com a pandemia da Covid-19 muitas pessoas tomaram uma decisão de, por conta própria, cancelar sua ida a uma consulta médica por medo de contaminação, avaliando ser mais perigosa que outras doenças. Isto acontece, em maior número, com pacientes com doenças que costumam ser maioria nas salas de espera, como câncer e cardiopatas.

Tanto pacientes que precisam de acompanhamento médico e pelos que procuram por uma consulta, não devem “sumir” desta responsabilidade. A preocupação com o deixar em ir a uma consulta por medo de contaminação pelo vírus da Covid-19, não condiz com a realidade e nem com a necessidade de cada um.

“Ter um infarto em casa e vir a óbito por medo de procurar o seu médico, é um risco maior para este paciente”, avalia o especialista em Medicina Interna da Unimed Tubarão, Júlio César Marcon.

Com receio de procurar uma assistência médica por medo do coronavírus, seja em consultório ou hospital, as pessoas consideram que ficar em casa é a melhor solução. Mas esta situação é um risco desnecessário.

A demora na busca por um atendimento vai, consequentemente, em muitos casos reduzir as chances de sobrevivência, especialmente no infarto e em outras doenças crônicas.
O câncer também entra no rol de doenças que não podem esperar a pandemia passar.

O tratamento oncológico e também de outras enfermidades, para ter êxito fica atrelado ao diagnóstico e tratamentos precoces. Isso se aplica não são apenas nestes estes dois casos, mas em todas outras doenças e sintomas. A procura por um profissional médico não deve ser adiada e nem cancelada.

Segundo Dr. Júlio César, todos os pacientes com doenças crônicas ou procedimentos agendados, devem conversar com o seu médico assistente. “A decisão de adiar ou não um procedimento ou uma consulta será do profissional médico”, acentua. Ele alerta que, sem isto, ocorrerá o risco de consequências para a saúde, e agravar o quadro clínico do paciente.