A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro vai apurar o caso de uma psiquiatra que teria receitado mantras budistas em vez de remédios para um paciente em surto psicótico — quadro mental em que a pessoa perde a noção da realidade.

A denúncia que agora é investigada foi feita por meio das redes sociais por Pablo Nunes, coordenador do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes. 

Segundo ele, um parente seu em crise foi levado à Coordenação de Emergência Regional da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, no último sábado (28/12). Porém, após ver a médica, o paciente teria deixado o consultório com um diagnóstico de “possessão espiritual” e a receita com as indicações dos mantras. 

“Deboche”

Nunes publicou a foto do receituário, que não está assinado, acompanhada de um protesto. “O deboche é tanto que a psiquiatra preencheu um receituário com os mantras que meu parente deveria recitar para ‘se livrar do espírito’. Não receitou remédio e muito menos assinou o receituário de mantras”, escreveu. “Ohm Namah Shivaya (108 vezes). Ho opono Pono. Asatoma Mantra”, é possível ler na receita.

  

“Ohm Namah Shivaya” é um mantra muito conhecido dos praticantes de meditação, que pode ser traduzido como “Ohm (som universal), eu me inclino a Shiva”. Costuma ser praticado com objetivos de cura e repetido 108 vezes — número de contas do japamala, um cordão usado pelo praticantes para atingir o estado meditativo. Ho opono Pono e Asatoma são os nomes de outros dois mantras.