Tatiana Dornelles
Tubarão

Língua portuguesa, inglês, história, geografia, matemática… Entre as disciplinas e o recreio, há a interação com os colegas de sala de aula, a troca de experiência com os professores, os bons momentos da vida escolar que serão lembrados, no futuro, com saudade. E é justamente para formar os cidadãos do amanhã que a escola municipal Maria Emília Rocha, de Tubarão, desenvolve projetos diversificados para trabalhar a criatividade e a assimilação dos conteúdos.

Durante todo o ano, a unidade escolar participa de concursos, olimpíadas e de eventos em que é convidada, além de desenvolver e colocar em prática uma série de projetos dentro das salas de aula. Tudo em prol dos alunos. “Relizamos em agosto uma gincana com pais e alunos para integrar a comunidade, foi uma verdadeira festa da família. A gincana era a moda antiga, com corridas de saco, brincadeiras, e foi um sucesso”, conta a diretora Gisele Medeiros.

Outro evento em que os alunos da Maria Emília Rocha se destacaram foi o concurso de redação dos ‘60 anos dos Direitos Humanos’, promovido recentemente pelo colunista do Notisul, Arlan Alves. “Um aluno da 4ª série tirou o primeiro lugar e dois conquistaram a segunda colocação, em suas categorias: um estudante da 5ª e outro da 6ª série. Sempre que abre um concurso, a escola participa. Isso é importante para o aluno e ajuda no aprendizado”, ressalta.

Recentemente, uma equipe formada por 13 alunos participou também do 23º Jogos da Família Forense. “Nossa escola foi convidada a participar e quanto mais alunos levasse, a unidade ganharia um computador. Fomos a única no evento e ganhamos o equipamento. Os participantes receberam medalhas. Todos os alunos que participaram da corrida rústica saíram de lá muito felizes. Isso é gratificante!”, acrescenta Gisele.

Uma escola bastante participativa
A escola municipal Maria Emília Rocha, de Tubarão, tem 389 alunos de pré-escolar a 8ª série e 42 funcionários. Além do ensino em sala de aula, a unidade preza pela qualidade do ensino e realiza várias atividades importantes ao desenvolvimento do estudante, bem como participa de eventos, concursos e projetos.

Como exemplo está a 1ª Geofest, desenvolvido pela professora de geografia, sobre as diversas culturas e povos do mundo. “Uma feira foi montada e houve a participação de todas as séries. Os alunos mostravam a cultura dos diferentes países, dos estados brasileiros e dos municípios catarinenses. Foi um trabalho muito lindo. Os estudantes fizeram cartazes, comidas e roupas típicas, tudo para representar a forma de viver de outros povos”, explica a diretora da escola, Gisele Medeiros.

O esporte também ganha destaque na instituição de ensino: 30 alunos estão inseridos no projeto de tênis da Unimed e uma vez por semana vão treinar no Clube dos Médicos. Seis deles, por terem se destacado no jogo, treinam no Clube de Campo. “Há quatro anos a escola é parceira e está engajada neste projeto. É uma das mais organizadas”, conta o professor de tênis, Antônio Carlos Vieira.
A diretora ressalta que o esforço para que a escola cresça cada vez mais é de toda a equipe. “Agradeço o apoio da coordenadora pedagógica Nilmara Nunes, da secretária Lenir Mateus, da APP, dos professores e do secretário de educação José Santos, que se empenham para que tudo seja sempre um sucesso”, enaltece.

Inclusão
A inclusão social é realidade na escola Maria Emília Rocha, que tem seis alunos portadores de necessidades especiais. Para melhor atendê-los, nas salas em que estudam há um estagiário para auxiliar o professor.

Corrida Forense: participantes
• Grazieli Luduech Machado; Mateus Matias Medeiros; Gustavo Dobeis Medeiros; Lucas Cardoso do Nascimento; João Batista Medeiros Júnior; Denner Marques Mendes; Maximillian Francisco Ingrácio; Douglas Nunes Domingos; Higor Campos Fortunato; Manoel Adolfo dos Santos Neto; Dimas Higino; Marcelo Rios Maximiliano.