O maquinista que foi retirado das ferragens de um dos trens que colidiu na Estação de São Cristovão, no Centro do Rio de Janeiro, não resistiu aos ferimentos e morreu na tarde desta quarta-feira, 27. Minutos antes da confirmação do óbito, ele havia sido socorrido desacordado de dentro da composição, depois de um resgate que durou mais de sete horas. As equipes ainda tentaram reanimar o condutor, sem sucesso.

A colisão aconteceu por volta das 6h55. O condutor se manteve lúcido durante boa parte da operação do Corpo de Bombeiros e respirava com auxílio de um balão de oxigênio. Após o fim do resgate, os bombeiros chegaram a se abraçar e comemorar a conclusão da operação.

Outras oito pessoas ficaram feridas na colisão. Sete delas foram encaminhadas ao Hospital Souza Aguiar e outra ao Hospital Salgado Filho — todas sem gravidade.

Em nota, a SuperVia lamentou o acidente e informou “que já instaurou uma comissão de sindicância que terá 30 dias para apurar as causas da colisão”. Ainda segundo a empresa, os vagões não estavam muito cheios porque eles operavam no contrafluxo.