Brasília (DF)

O ministro da fazenda, Guido Mantega, deu um mês para os bancos privados reduzirem suas taxas de juros mais altas. A queda esperada, segundo ele, é de 30% a 40%. Mantega prometeu fiscalizar os bancos para que a redução dos juros não seja compensada com o aumento das tarifas dos serviços.

“Se os bancos privados reduzirem 30%, 40% e aumentarem o volume nesta mesma proporção, já estarão prestando um serviço à economia brasileira. A nossa intenção é ter um acompanhamento semanal dessa história. E eu vou cobrar”, reiterou o ministro.
Mantega acredita que este é o mínimo que as instituições financeiras podem fazer, especialmente após o governo dar condições para isso, em referência aos incentivos para a economia continuar em movimento, como a redução do IPI sobre a compra de automóveis.

O ministro antecipa também que o governo pensa em um modo de ajudar devedores inadimplentes de até R$ 100 mil, a quitarem suas dívidas com os bancos. A estratégia envolveria facilitar o pagamento dos impostos que as instituições de crédito devem pagar ao receber as quantias dos devedores.
Mantega afirma ainda que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil crescerá de 3,5% a 4% neste ano, mesmo com a crise financeira internacional. O número é otimista, especialmente se comparado a algumas projeções que estimam alta de apenas 3%.