A Guarda Municipal de Joinville junto ao Procon, interditou uma loja de produtos químicos na manhã desta terça-feira (17), no bairro Costa e Silva, por aproveitar da pandemia do Covid-19 para cobrar um preço abusivo pelo álcool em gel.

Segundo moradores da região, antes do surto de contaminação do novo coronavírus, o produto era vendido a R$ 7 e no momento da fiscalização, estava sendo comercializado por R$ 19,90. 

A loja foi interditada por 15 dias. O Procon continua as fiscalizações e pede a colaboração da população para denunciar esses abusos. Para fazer sua denúncia ligue: (47) 3473-0272 ou 151

Nota de Esclarecimento Ecoville – Suposta prática de preços abusivos
 
A Ecoville, uma das principais indústrias e maior rede varejista de produtos de limpeza do Brasil, está solidária com toda a população brasileira neste momento difícil e esclarece que não pratica preços abusivos para se aproveitar da crise, muito pelo contrário.
 
A demanda por álcool gel aumentou exponencialmente em todo o mundo nos últimos meses e estamos enfrentando uma crise de abastecimento de matérias-primas, muitas das quais importadas da China, epicentro da pandemia do coronavírus. Como consequência, toda a indústria mundial está com dificuldades para ter acesso aos insumos necessários para a fabricação do produto. Os preços das matérias-primas aumentaram cerca de 5 vezes nos últimos meses e isso é explicado por diversos fatores: sucessivas altas do dólar, dificuldade para os produtos serem fabricados e embarcados e demanda mundial muito superior à oferta.
 
Mesmo enfrentando todas estas dificuldades, a Ecoville decidiu reduzir sua margem de lucro no produto álcool gel para não onerar ainda mais o consumidor brasileiro neste momento tão delicado. Dessa forma, conseguimos suavizar o impacto. Mesmo sofrendo uma alta de custos da ordem de 500%, aumentamos o produto em 100%. Esperamos que a crise de abastecimento melhore logo para que possamos voltar aos preços antigos.
 
Consideramos a ação do Procon de Joinville realizada hoje na nossa loja localizada no bairro Costa e Silva abusiva e arbitrária. Se tivéssemos sido notificados ao invés de arbitrariamente fechados por 15 dias, teríamos esclarecido todas as dúvidas e enviado os documentos que comprovam os aumentos dos custos para a produção do álcool gel. Iremos ingressar com uma ação na Justiça para reverter a autuação.