#Pracegover Foto: na imagem há uma mulher, um microfone., uma garrafa e água e álcool em gel
#Pracegover Foto: na imagem há uma mulher, um microfone., uma garrafa e água e álcool em gel

Os integrantes da Lista Sêxtupla escolhidos em votação pela Ordem dos Advogados do Brasil de Santa Catarina (OAB/SC) no último dia 21, para o preenchimento da função de desembargador ou desembargadora pelo Quinto Constitucional, participaram recentemente da audiência de arguição. A iniciativa ocorreu no Poder Judiciário de Santa Catarina (PJSC). O evento foi realizado na Sala de Sessões Ministro Teori Zavascki do TJSC, em Florianópolis.

Após a formação de lista tríplice, a ser definida no próximo dia 21 de julho pelo Tribunal Pleno, caberá ao chefe do Poder Executivo estadual escolher o novo integrante da Corte catarinense. A advogada e procuradora do município de Tubarão, Patrícia Uliano Effiting, 47 anos, compõe a Lista Sêxtupla. Em uma das etapas do pleito, ocorrido no mês passado, ela foi a quarta mais votada pelos advogados (as) para compor a lista. Na última sexta-feira, a profissional de direito apresentou as suas motivações e seus propósitos.

Segundo ela, desde a sua colocação na lista duodécupla, como mulher mais votada pela advocacia de Santa Catarina, a advogada natural de Laguna tem expressado a sua gratidão e honra em participar desse processo histórico. “Chegar até aqui é algo que me enche de alegria e também de esperança. A sociedade evolui constantemente, mesmo que a passos lentos”, enfatiza.

Patrícia expõe que além da inédita escolha feita pelos colegas de profissão, a participação de duas mulheres neste grupo seleto é uma vitória democrática. “Somos maioria da população catarinense e praticamente metade da classe de advogados. Essa representatividade deve estar presente em todas as esferas. Não por questão de gênero, mas de preparo e capacidade. Sigamos evoluindo”, finaliza.

O Quinto constitucional é o mecanismo que confere 20% dos assentos existentes nos tribunais aos advogados e promotores do Ministério Público (MP). Assim, uma de cada cinco vagas nas Cortes de Justiça é reservada para profissionais, que não se submetem a concurso público de provas e títulos. Em um pleito, a Ordem dos Advogados e o Ministério Público, formam uma lista sêxtupla, remetem para os tribunais e estes selecionam três, encaminhando para o Executivo que nomeia um desses nomes. Desta forma, o advogado (a) ou o promotor (a) deixam as suas atividades e iniciam nova carreira, não na condição de juízes de primeiro grau, início da carreira, mas já como desembargador ou ministro, de grau mais alto da magistratura.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul