O forte temporal que atingiu as regiões Oeste e Extremo Oeste de Santa Catarina causou destruição em 27 municípios. Houve o registro de alagamentos, destelhamento de residências, estabelecimentos comerciais e escolas, queda de pontes e árvores, e veículos arrastados.

Além disso, casas também foram arrancadas pelos fortes ventos. Nos locais mais afetados, os acessos foram interrompidos em função da queda de postes e árvores que obstruíram a passagem de pedestres e veículos.

Os órgãos competentes avaliam por meio de estudos se o fenômeno pode ter sido um tornado em função da força dos ventos, que chegaram a 130 quilômetros por hora em algumas cidades, ou se ocorreu uma microexplosão. A conclusão oficial deve ser divulgada nesta sexta-feira (12).

A Defesa Civil do Estado analisa os estragos e contabiliza os prejuízos por meio de coletas de informações das residências atingidas. Telhas e lonas são distribuídas às famílias que ficaram desabrigadas.

As cidades mais afetadas foram São Miguel do Oeste, Belmonte e Descanso. Nessa última, uma das mais prejudicadas, cerca de 300 casas foram atingidas pelas intensas rajadas de ventos. Uma criança sofreu ferimentos com a explosão da janela de uma casa e foi levada para o hospital.

Xanxerê, Maravilha, Iporã do Oeste e Itapiranga também integram a lista dos municípios que registraram prejuízos.

A Defesa Civil orienta os moradores a não subirem nos telhados dos imóveis para reparar os danos, pois há o risco de acidentes e quedas. Eles devem pedir auxílio de profissionais especializados.

A população pode entrar em contato com a Defesa Civil por meio do 199, o Corpo de Bombeiros Militar pelo 193 ou a Polícia Militar pelo 190.

Tornado e microexplosão
O tornado é uma forte corrente de ar que desce das nuvens em espiral. Já na microexplosão, a corrente de ar despenca em linha reta, como um “corredor de vento”, sem apresentar espiralidade, sobre uma determinada área.

Fotos: Rádio Studio FM Veranópolis e Rádio Progresso/Divulgação Notisul