O deputado federal eleito Kim Kataguiri (DEM-SP) ingressou nesta terça-feira (8/1) no Supremo Tribunal Federal (STF) com mandado de segurança para garantir liminar que obrigue a realização da eleição para a presidência da Câmara por meio de voto aberto e não secreto, como ocorre atualmente.

No primeiro mandato, Kataguiri é um dos candidatos ao cargo, que tem seu colega de partido, o atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), como postulante mais forte.

MAIS SOBRE O ASSUNTO

Idade pode impedir Kim Kataguiri de ocupar comando da Câmara

Kim Kataguiri fica entre os federais mais votados em São Paulo

Análise: urnas de 2018 provocam forte guinada do Brasil para a direita

DEM critica ambição de Kim Kataguiri: “Já quer sentar na janela”

O Supremo já decidiu que no Senado a sessão será aberta e não secreta. O que significa que a decisão liminar do ministro Marco Aurélio Mello poderá ser estendida para a Câmara. O Senado ainda não decidiu se irá recorrer. Especula-se que a Casa pode simplesmente ignorar a decisão liminar no dia da eleição.

O voto aberto dificulta traições e a escolha de candidatos impopulares frente ao eleitorado. No Senado, Renan Calheiros (MDB-AL) teria mais dificuldades em se eleger.