Zahyra Mattar
Capivari de Baixo

O prefeito de Capivari de Baixo, Luiz Carlos Brunel Alves (PMDB), recorrerá contra a decisão do Tribunal de Justiça, publicada segunda-feira, pela qual é condenado a duas penas de reclusão (de três e sete anos), ambas substituídas por duas restritivas de direitos, perda do mandato e inelegibilidade por 5 anos.

Os ex-vereadores Volnei dos Santos e Pedro Manoel da Silva também foram condenados no mesmo processo (penas de reclusão e inelegibilidade por 5 anos). Outras sete pessoas implicadas na ação foram absolvidas.
O caso corre há mais de dez anos. A principal acusação é de que Brunel teria utilizado recursos do duodécimo (na época, 5%) para que os parlamentares aprovassem projetos enviados pelo executivo, inclusive cedido um terreno para um empresário de forma irregular.

Segundo o prefeito, tudo foi feito dentro da lei e aprovado pela câmara. “No fim, sempre sobra para o gestor. Tenho a consciência tranquila. Meu advogado João Batista Ulysséa já prepara tudo para recorrermos. Não há irregularidade”, assegura.
Brunel explica que não houve uso do duodécimo, e sim um repasse de 5% para a colônia de pescadores por força do cumprimento de um mandado de segurança. Quanto ao terreno, esclarece que foi devolvido ao município, inclusive com benfeitorias. Hoje, o local abriga um clube de mães, que atende 350 mulheres. O Notisul tenta contato com o advogado de Brunel desde segunda-feira, sem sucesso.