Tubarão

Uma imagem de um carro da Guarda Municipal de Tubarão recolhendo materiais de campanha do candidato a deputado estadual Olavio Falchetti (PT) repercute nas redes sociais desde a noite de quarta-feira (26). Houve especulações de todos os tipos sobre qual seria o motivo.

Na verdade há uma ordem da Justiça Eleitoral para que os materiais com a imagem do ex-presidente Lula como candidato a presidente fossem recolhidos.

Em Tubarão, a juíza eleitoral despachou uma decisão de que o material deveria ser entregue em 24 horas. Em seguida, a exemplo de Florianópolis, revogou a decisão, e pediu a busca e apreensão imediata.

A Justiça Eleitoral possui uma portaria, autorizando apoio dos órgãos municipais e à Polícia Militar, e de acordo com a juíza, foi pedido o apoio da Guarda Municipal, por causa da grande quantidade de material que foi recolhido.  Já a PM não foi chamada, já que a situação era tranquila, não exigindo segurança.

Os membros do comitê de campanha do PT de Tubarão garantem que o material foi impresso antes da decisão da justiça em vetar a candidatura de Lula e que seguiu a determinação da Justiça Eleitoral.

O comitê emitiu nota para esclarecer os fatos:

“A coordenação do comitê de campanha do PT de Tubarão procurou a Justiça Eleitoral no início da tarde de desta quarta-feira (26), informando que já havia, espontaneamente, isolado e retirado da distribuição os materiais de campanha em que constava o ex-presidente Lula como candidato a presidente. Tal procedimento foi adotado logo que houve a substituição de sua candidatura pela de Fernando Haddad e o comitê já dispõe, desde então, de novos materiais em que Haddad é apontado como candidato a presidente.

Diante do relato, a Justiça Eleitoral determinou o recolhimento do material, sendo prontamente auxiliada pelos representantes do comitê. Houve a solicitação de apoio da Guarda Municipal por conta do grande volume de material a ser entregue, já que a Guarda dispõe de veículos com maior capacidade de transporte de carga.

Todos os atos foram realizados em consenso e sem qualquer restrição de qualquer das partes.”