Zahyra Mattar
Tubarão

A denúncia assinada pelo promotor de justiça do Ministério Público de Tubarão, Fábio Fernandes de Oliveira Lyrio, contra o vereador Geraldo Pereira (PMDB), o Jarrão, e sua ex-assessora, Cynara Guimarães Antunes, foi aceita pela justiça.
 

Agora, eles são réus em um processo na 1ª Vara Criminal de Tubarão e responderão, em princípio, pelos crimes de peculato (neste caso, desvio de verba pública em benefício próprio e de familiares – artigo 312 do Código Penal) e de uso de documento falso (artigo 304 do Código Penal).
O MP formalizou a proposta de ação criminal contra os dois no último dia 14 em virtude do caso das diárias. Jarrão e Cynara foram flagrados, no começo de julho deste ano, na praia, no momento em que deveriam estar em um curso parlamentar no Recife.
 

Esta semana, a assessora foi exonerada do seu cargo pelo presidente do legislativo, João Batista de Andrade (PSDB). Contudo, o motivo não foi o caso das diárias, e sim um fato novo levantado durante as investigações: ela é sobrinha da esposa de Jarrão, portanto, sua parente em 3º grau por afinidade.
Ainda que haja uma discussão em torno de quais casos são considerados, ou não, nepotismo, Batista considerou que, enquanto não há definição no Supremo Tribunal Federal (STF), a proibição é o caminho mais correto. Se quiser, Cynara poderá questionar a decisão na justiça.