O médium João de Deus se entregou à polícia, na tarde deste domingo (16/12), informou ao Correio Braziliense o advogado do religioso, Alberto Toron. O defensor disse que não poderia informar ainda o local onde ele se apresentou às autoridades.

No sábado, investigadores revelaram que João de Deus retirou R$ 35 milhões de contas bancárias na última quarta-feira (12). 

O líder religioso era considerado foragido desde o sábado (15), quando a polícia fez buscas por João de Deus em mais de 30 endereços apontados pela investigação. Ele teve a prisão decretada na sexta-feira (14).

 

Para pedir a prisão de João de Deus, o Ministério Público justificou que, caso permanecesse solto, o médium poderia ameaçar mulheres que denunciaram os abusos ou, ainda, fazer novas vítimas.  

João de Deus é acusado pelos crimes de assédio sexual e estupro por mais de 300 mulheres, do Brasil e do exterior. Ao menos 30 vítimas foram ouvidas pelos procuradores que atuam no caso. 

 

Abadiânia  

Apesar de toda a polêmica envolvendo João de Deus, a Casa Dom Inácio de Loyola ficou aberta até o horário do almoço e encerrou as atividades em seguida.Durante a manhã, aproximadamente dez pessoas continuaram no local, a maioria estrangeiros, vestidos de branco. Enquanto alguns faziam orações, outros meditavam.

Quem circula pela cidade encontra poucos pontos de comércio abertos. Em condição de anonimato, algumas pessoas arriscam opinar sobre o assunto. Dizem, por exemplo, que o médium não era “flor que se cheire”. Além disso, costumam mostrar preocupação sobre como a prisão dele deve afetar a economia do município.