O Ministério Público criou uma força-tarefa pra investigar um dos médiuns mais famosos do Brasil por suspeita de abuso sexual. Os casos de violência foram revelados na sexta-feira passada (7), no programa “Conversa com Bial”. E, desde então, mais de 200 mulheres afirmaram ao MP ter sofrido abuso sexual de João de Deus. O MP vai ouvir os primeiros depoimentos ainda nesta terça-feira (11), de denúncias feitas em São Paulo e em Minas Gerais.

Só em São Paulo o MP recebeu 230 denúncias. “É um número grande, mas é comum em casos desta natureza esse fenômeno acontecer. Uma mulher denuncia, a outra mulher se sente encorajada, ela se sente fortalecida, se identifica com aquela situação e elas vão começando a denunciar e a formar grupos de apoio e, esse número, a tendência é crescer”, disse a promotora de Justiça Gabriela Manssur.

As vítimas podem procurar o Ministério Público ou a Polícia Civil do estado onde moram. Os depoimentos serão enviados para os promotores de Goiás, onde as investigações se concentram. “Nós queremos ser céleres. À medida que as vítimas forem aparecendo, se possível, no mesmo dia, nós vamos colher o depoimento. E é necessário que haja essa divulgação dessa força-tarefa para que as vítimas percam o temor. Eu gosto de frisar que o sigilo desse depoimento será mantido, a vítima não será exposta e, se for necessário, nós providenciaremos segurança para elas”, disse Luciano Miranda, promotor de Justiça do estado.

Na tarde desta segunda-feira (10), a Diretoria-Geral da Polícia Civil em Goiás iniciou um levantamento minucioso em todas as delegacias do estado. Os investigadores vão checar todas as denúncias e inquéritos que existem contra João de Deus. ” 

 

Só nesta segunda, a força-tarefa do Ministério Público de Goiás recebeu o contato de 40 mulheres que se apresentaram como vítimas de João de Deus. A maior parte por e-mail. Todas vão ser ouvidas nos próximos dias.

 

João Teixeira de Faria, mundialmente conhecido como João de Deus, tem 76 anos. Conta que é médium desde criança e, na adolescência, teria ajudado a curar a primeira pessoa. A casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, onde ele faz os atendimentos e cirurgias espirituais, recebe até cinco mil pessoas por semana.