“Eu queria te escrever algo lindo hoje. Queria dizer o quanto te amo de todas as formas possíveis e como tu és maravilhosa. Mas, hoje, eu não consigo.

Hoje eu não consigo descrever em palavras como eu me sinto. Hoje a realidade me desespera cada vez mais. Hoje eu não consigo respirar direito pela angústia da falta que tu faz. Hoje sinto um vazio enorme.

No dia de hoje, nosso aniversário, eu não consigo enxergar uma vida inteira sem ti. A tristeza imensa por não poder ir escolher minuciosamente teu presente pra ter a certeza de que iria gostar, por não acordarmos com flores dos nossos pais, por não podermos comemorar os nossos 23 anos com nossa tradicional cassata de bombom, toma conta de mim por inteiro.

Nesse dia eu sempre irei lembrar que a pessoa que nasceu comigo, com um minuto de diferença, não está mais aqui. Meu único pedido pra hoje seria acordar amanhã e te enxergar na tua caminha, ainda dormindo.

Deixo em tua homenagem essa música do Bob Dylan que tu gostavas tanto, e hoje relendo ela vejo como a profundidade da letra é tão tocante e verdadeira. Assim como tu.

“Quantas estradas um homem precisará andar

Até que possam chamá-lo de homem?

Sim, e quantos mares uma pomba branca precisará sobrevoar

Até que ela possa dormir na areia?

Sim, e quantas balas de canhão precisarão voar

Até serem para sempre banidas?

A resposta, meu amigo, está soprando ao vento

A resposta está soprando ao vento

Sim, e quantos anos uma montanha pode existir

Antes que ela seja dissolvida pelo mar?

Sim, e quantos anos algumas pessoas podem existir

Até que sejam permitidas ser livres?

Sim, e quantas vezes um homem pode virar sua cabeça

E fingir que ele simplesmente não vê?

A resposta, meu amigo, está soprando ao vento

A resposta está soprando ao vento

Quantas vezes um homem precisará olhar para cima

Até que ele possa ver o céu?

Sim, e quantas orelhas um homem precisará ter

Até que ele possa ouvir as pessoas chorarem?

Sim, e quantas mortes ele causará até saber

Que pessoas demais morreram?

A resposta, meu amigo, está soprando ao vento

A resposta está soprando ao vento”

 

E eu acredito nessa frase que tu mesma já colocaste “A resposta está soprando ao vento…”

A resposta está em algum lugar. Ou talvez em todos. Tu estás. Mas é tão longe. Longe de mim”.

Artigo escrito por Mariana Viana, irmã gêmea de Isadora Viana, modelo morta em um apartamento, em Imbituba. Na segunda-feira, 22 de março, foi o aniversário de Mariana, e de Isadora, caso estivesse viva.

Leia mais

Irmã gêmea da modelo morta em Imbituba pede justiça e revela sofrimento