Amanda Menger
Tubarão

Os funcionários públicos estaduais lotaram o teatro Elias Angeloni, ontem, em Criciúma, na quinta audiência pública que discute o projeto de lei que cria o Instituto de Previdência de Santa Catarina (Iprev). Todos os municípios do sul catarinense participaram com representantes. Só de Tubarão partiram dois ônibus e um microônibus com professores.

Para a representante do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Estadual de Santa Catarina (Sintespe) na região sul do estado, Maria Zila Padilha, os servidores estão mobilizados. “O teatro ficou lotado e todos votaram pela devolução do projeto. Consideramos que a proposta discrimina os funcionários da ativa e os aposentados, sem contar que não temos garantia de que o dinheiro será bem aplicado”, argumenta.

A audiência contou com a presença do secretário estadual de administração, Antônio Marcos Gavazzoni, que fez a defesa do Iprev. “Com o Conselho de Administração, composto por 14 membros – o secretário da administração e 13 servidores de carreira -, os funcionários passam a gerir os recursos do Iprev e o governo não poderá tomar qualquer atitude sem seja previamente aprovada pelo conselho”, esclarece o secretário.

A coordenadora regional do Sindicato dos Trabalhadores da Educação Estadual (Sinte), Maria Aparecida de Farias, a Quinha, acredita que a mobilização é fundamental. “O governo já começa a propor emendas, ou seja, eles perceberam que a proposta não é boa. Mas o que nós queremos é que volte a ser discutida desde o início, na própria formulação”, justifica.

Vários deputados, tanto da oposição quanto da base governista, participaram da audiência. “Alguns deles foram solidários ao funcionalismo e disseram que votarão contra. Mas é preciso esperar para ver qual será o desfecho”, avalia a representante do Sintespe. Lages também foi sede de audiência pública ontem. Hoje, os encontros ocorrem em Rio do Sul e Blumenau e a última reunião será amanhã, em Joinville.