Brasília (DF)

A expectativa de vida do brasileiro subiu para 72,7 anos em 2007. Os dados foram divulgados ontem pelo IBGE. Em 1997, o estudo apontava uma expectativa de 69,3 anos no país. Em 2006, era de 72,3 anos.

Segundo a pesquisa Síntese de Indicadores Sociais, a vida média do brasileiro ao nascer, entre 1997 e 2007, cresceu 3,4 anos, com as mulheres em situação bem mais favorável que a dos homens (73,2 para 76,5 anos, no caso das mulheres, e 65,5 para 69,0 anos, aos homens).

A pesquisadora Ana Lúcia Sabóia, gerente de Indicadores Econômicos do IBGE, diz que o avanço na expectativa de vida é um reflexo dos avanços da medicina e da melhoria das condições de vida. Ela considera o resultado “bastante agradável”.

A taxa de mortalidade, que representa a frequência com que ocorrem óbitos em uma população, caiu de 6,6%, em 1997, para 6,23%, em 2007. A taxa de fecundidade total no país manteve sua tendência de declínio, ao passar de 2,54 para 1,95 filho em média por mulher, no mesmo período. O aumento da esperança de vida, combinado com a queda do nível de fecundidade, levou ao aumento da população idosa.