Rafael Andrade
Tubarão

O verde e amarelo predominou no desfile cívico-militar em comemoração ao Dia da Independência, ontem de manhã, na avenida Marcolino Martins Cabral, a principal de Tubarão. Mas a cor preta também apareceu nas roupas, em rostos pintados, nas máscaras e balões de vários grupos.

Muita gente cobrou das autoridades que acompanharam o evento, à sombra do palanque, atitudes para minimizar a insegurança na cidade este ano. E os números apontam realmente uma sensação incômoda: já são 12 assassinatos, cinco tentativas de homicídio, centenas de assaltos, furtos e até alguns sequestros em Tubarão somente em 2010.

Segundo dados da organização do desfile, mais de sete mil pessoas prestigiaram as festividades na avenida. Aparentando boa forma e disposição, o prefeito Manoel Bertoncini (PSDB) observou atento a passagem de todas as escolas, entidades e forças armadas. “É sempre um colorido especial. Além dos talentos que passam pela avenida, é possível criticar com bom humor”, aponta Manoel.

O secretário de desenvolvimento regional em Tubarão, Haroldo Silva (PSDB), o Dura, vibrou quando os carros antigos passaram pelo palanque. “Que fenomenal”, enalteceu, durante a passagem de um Galaxy preto, quatro portas, 1966.

O mecânico José Paulo do Nascimento, 50 anos, levou pela primeira vez ao desfile o filho Luis Gustavo Bajaque do Nascimento, de quase 3 anos. “Meu pequeno gosta de batuque e os seus olhos brilham quando passam as bandas das escolas”, revela José Paulo.
Além dos carros antigos, clubes de motoqueiros e grupos de cavaleiros fecharam o desfile, que durou cerca de quatro horas. No próximo ano tem mais!

Protesto
A aposentada Maria Amélia Cavalcante levou o seu cachorro Canguru (foto)- que nasceu somente com as pernas de trás – para cobrar das autoridades a construção de um grande canil em Tubarão, para socorrer os cães de rua que são mal-tratados. “Eles sempre serão os melhores amigos do homem”, frisa Maria Amélia.

Vários funcionários e alunos da Comissão Municipal do Bem Estar do Menor de Tubarão (Combemtu) desfilaram de preto com crianças no colo e faixas cobrando mais atenção às áreas de risco social da cidade que sofrem constantes invasões de traficantes de drogas, instalando o medo entre os moradores.