Uma cena inusitada – mas não tanto – daquela que ouvimos falar do amor entre um animal e seu dono. Esse tipo de acontecimento já virou filme e faz parte da realidade de muitas pessoas. Não é incomum ver os bichinhos de estimação na ‘cola’ de seu dono, o acompanhando por onde vai ou até mesmo nos momentos mais difíceis. 

Algumas cenas dessa viralizaram na Internet, registradas em Santa Catarina, no Brasil e pelo mundo afora, com fotos dos animais em portas de hospitais aguardando a recuperação de seu grande aumigo, por exemplo. 

Em Tubarão, um caso semelhante ocorre hoje (10). Mas a história é um pouquinho diferente. João Batista Rebelo, 48 anos, que morava no KM-37, morreu ontem (9) à noite, exatamente às 22h35min. Ele é velado no Salão Paroquial da Igreja do KM-37. Seu João alimentou a cachorrinha Nina por mais de um ano quando tinha uma lanchonete. 

No entanto, o destino os separou. Ele fechou a lanchonete, veio a sua doença nos rins e a Nina desapareceu completamente. Há três anos que ninguém tinha notícias dela. Seu João continuou sua vida, sua batalha e já fazia hemodiálise há 17 anos.

Durante o velório na madrugada de hoje, as pessoas presentes se emocionaram e ficaram extremamente surpresas quando derrepente (após 3 anos) a cachorrinha apareceu, entrou e está até agora deitada, triste, embaixo do caixão. Todos estão perplexos. “Ela esfrega a patinha no rosto como se estivesse chorando. Eu como pessoa, hoje vejo um amor que, às vezes, o ser humano não tem pelo outro. O verdadeiro amigo do ser humano é o animal, essa cena comprova. O animal ama mais que um ser humano”, emociona-se Liliane Martins Eliseu, amiga da família.

Um missa de corpo pressente ocorre agora e o corpo de João será sepultado depois no cemitério em Laranjeiras, em Pescaria Brava. E agora? 

Que seu João descanse em paz. Todas as condolências à família. E a cachorrinha Nina? Para onde vai?….