Orleans

O prefeito de Orleans, Jorge Koch, emitiu recentemente o decreto 4.572, que torna de utilidade pública, que poderá ser desapropriado pelo município por meio amigável ou judicial 34 hectares de terras, de propriedade do Instituto Leonardo Murialdo (Ilem). No entanto, a normativa vem causando controvérsias, boa parte da população não é favorável à medida.

Se o intuito do gestor municipal é construir edifícios públicos voltados à educação, cultura, esporte e à implantação de um parque ambiental, por outro lado, os representantes do Ilem, mantenedora do Seminário São José, dos Padres e Irmãos Josefinos de Murialdo, pretendem utilizar o espaço como um futuro loteamento. O imóvel poderá ter cerca de 350 lotes.

Com a venda dos terrenos, o instituto alcançaria aproximadamente R$ 35 milhões, porém, o chefe do poder Executivo, por meio de nota destacou que entende que o local serve para atender o interesse público da cidade. “A partir deste decreto, damos início à tratativa de a administração fazer a compra do imóvel do instituto”, pontuou.

Segundo Koch, a intenção, de momento, é resguardar para evitar que o seminário possa criar um loteamento, construir ou vender. “Se deixarmos que isso ocorra, se deixarmos que ali saia um loteamento ou grandes empreendimentos, prejudicaremos projetos como este do parque, e também a expansão de universidade de Orleans (Unibave)”, defendeu.

Conforme o padre Cornélio Dall’Alba, desta forma, o poder público não está somente se apropriando do patrimônio do seminário, mas expulsando os grandes benfeitores daquela terra. “Estão desmantelando uma história construída com o suor embebido nesta terra. A prefeitura de Orleans comprou um terreno há cerca de dez anos. Vendemos, para que ela construísse ali um centro de eventos, mas ele nunca apareceu. São dez anos com um terreno pronto e agora ela se revoga o direito de ocupar 30 ou 40 hectares”, lamentou.