Foto: Cristiano Menezes/Agora Laguna

O Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA/SC) divulgou o relatório de balneabilidade referente a coletas realizadas entre os dias 23 e 27 de novembro de 2020. De acordo com os resultados, dos 231 pontos analisados no litoral catarinense, 81,0% estão em condições favoráveis para banho.

Em Imbituba todas as praias estão aptas para banho.

Em Jaguaruna, estão próprios para banho a barra do Camacho e Lagoa do Arroio Corrente. A praia do Arroio corrente foi considerada imprópria.

Já em Laguna a Lagoa de Cabeçudas, praias da Teresa, Itapirubá, Cardoso, Gi e Mar Grosso estão apropriadas para banhistas. A prainha do Farol de Santa Marta pela segunda semana consecutiva é considerada imprópria para banho.

Em Florianópolis, dos 87 pontos averiguados, 75 estão próprios para banho, o que representa 86,2%. Na Beira-mar Norte o ponto 94, em frente à Praça Esteves Júnior, passou para a condição de próprio. No restante do litoral dos 144 locais onde há coleta, 112 apresentam condições favoráveis para mergulho, o que corresponde a 77,8%. Em comparação ao relatório anterior, 06 pontos passaram da condição de próprio para impróprio e 06 passaram da condição de impróprio para próprio.

O IMA analisa 231 pontos espalhados pelos 500 km do litoral catarinense, concentrando as coletas onde há maior fluxo de banhistas. As análises são realizadas nos municípios de Araranguá, Bal. Arroio do Silva, Bal. Gaivota, Bal. Camboriú, Bal. Rincão, Barra Velha, Biguaçu, Bombinhas, Florianópolis, Garopaba, Gov. Celso Ramos, Imbituba, Itajaí, Itapema, Itapoá, Jaguaruna, Joinville, Laguna, Navegantes, Palhoça, Passo de Torres, Penha, Balneário Piçarras, Porto Belo e São José.

Como são feitas as análises

Os técnicos do Instituto realizam as coletas da água do mar a até 1 (um) metro de profundidade, na quantidade de 100 mililitros. As amostras recolhidas são submetidas a exames bacteriológicos durante 24 horas. Os aspectos levados para às análises de balneabilidade são: 1) condições de maré; 2) incidência pluviométrica das últimas 24 horas no local; 3) temperatura da amostra e do ar no momento da coleta; 4) imediata condução para pesquisa em crescimento bacteriano.

A água é considerada:

Própria: quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras coletadas nas últimas 5 semanas anteriores, no mesmo local, houver no máximo 800 Escherichia coli por 100 mililitros.
Imprópria: quando em mais de 20% de um conjunto de amostras coletadas nas últimas 5 semanas anteriores, no mesmo local, for superior que 800 Escherichia coli por 100 mililitros ou quando, na última coleta, o resultado for superior a 2000 Escherichia coli por 100 mililitros.

O IMA conta com apoio do Corpo de Bombeiros para a realização das coletas. O resultado pode ser acessado clicando aqui.