#Pracegover Na foto, Sidnei aparece usando máscara, óculos escuros
Foto: Prefeitura de Capivari de Baixo

Quando a sogra precisou receber sangue por conta de uma cirurgia que ela fez, há uns 15 anos, Sidnei Pacheco, guarda municipal na prefeitura de Capivari de Baixo se dispôs a doar sangue, no Hemosc de Criciúma. Questionado se teria interesse em se tornar também doador de medula óssea, Sidnei acolheu o convite e sua condição de doador foi oficializada.

 

Há dez dias, a mesma unidade do Hemosc fez contato telefônico com Sidnei para atualizar os dados cadastrais. Na segunda-feira, 28, mais um telefonema para Sidnei o comunicou que sua medula é compatível com a de uma pessoa que precisa com urgência receber o material contendo as células-tronco, para tratar de uma doença. “É uma sensação incrível, de poder ajudar uma pessoa que nem se conhece, mas que pode se salvar por conta disso. Fiquei muito emocionado com isso e agora aguardo resultado dos exames laboratoriais”, disse Sidnei.

 

O que precisa para ser um doador de medula

Para se tornar doador é preciso fazer um cadastro no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea – Redome. O órgão promove a busca de doadores no Brasil e nos registros estrangeiros. Mas é possível se cadastrar como doador voluntário de medula óssea nos hemocentros localizados por todo o Brasil. Na região Sul do Estado só há em Criciúma, mas em Tubarão existe uma unidade de coleta, onde é possível buscar mais informações.

 

O que é medula óssea

A medula óssea, encontrada no interior dos ossos, contém as células-tronco hematopoéticas que produzem os componentes do sangue, incluindo as hemácias ou glóbulos vermelhos, os leucócitos ou glóbulos brancos que são parte do sistema de defesa do nosso organismo, e as plaquetas, responsáveis pela coagulação.

 

Horário de funcionamento:

Segunda a sexta-feira, das 07h30 às 12h30 (Atendimento somente por agendamento pelos telefones (48) 3444-7410/(48) 3444-7414)

Endereço: Rua Santos Dumont, s/n, Telefone: (48) 3626-7383