Bogotá, Colômbia

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) confirmaram a morte de Manuel Marulanda Vélez, chefe da organização também conhecido como “Tirofijo” (tiro certeiro), segundo a agência Telam. O anúncio foi feito pelo guerrilheiro Timoleón Jiménez “Timocheko”, por meio de um vídeo reproduzido pela emissora venezuelana Telesur.

“Timochenko” confirmou que a morte ocorreu em 26 de março, exatamente como informou o ministro da defesa colombiano, Juan Manuel Santos, em uma entrevista à revista Semana, que meios de comunicação veicularam ontem.

A notícia havia sido ratificada pelo almirante David Moreno, por meio de um comunicado em que pediu que as Farc confirmassem a versão.
De acordo com o comunicado da guerrilha, Marulanda morreu de ataque cardíaco. Essa foi uma das hipóteses mencionadas pelo ministro. A outra foi de que o líder teria sido vítima de três bombardeios ocorridos no mesmo dia, na região onde ele supostamente se encontrava.

O líder das Farc tinha 78 anos e foi um dos fundadores do grupo armado, em 1964. A sua morte foi a terceira de um membro do secretariado no último mês de março. No dia 1º, Raúl Reyes morreu em um bombardeio de militares colombianos em território equatoriano. Uma semana depois, Iván Ríos foi assassinado por um guarda-costas.