Sem pagamento de salário, funcionários vão manter apenas 30% dos serviços de urgência e emergência

Willian Reis
Braço do Norte

Funcionários do Hospital Santa Teresinha (HST), em Braço do Norte, reuniram-se sexta-feira à noite e decidiram manter a greve, marcada para começar a partir da meia-noite deste sábado. A paralisação prossegue por tempo indeterminado, ou até que seja efetuado o pagamento do salário do mês de dezembro.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Tubarão e Região, Denise Matos de Freitas, serão mantidos somente os serviços de urgência e emergência, mas de forma reduzida, com 30% do efetivo. Ela relata que, na reunião desta sexta-feira, os funcionários discutiram a proposta da direção do hospital, de que os salários seriam pagos, porém, em data incerta.

Alguns funcionários afirmaram que, nesse caso, podiam desistir da greve, mas foram vencidos pela maioria, que decidiu manter a decisão. “A direção informou que está buscando os recursos, mas não deu prazo. Então não tem jeito. Vai ter greve”, garante Denise.

Procurado pelo Notisul, o gerente administrativo do hospital, Edvan Della Giustina, não foi encontrado. Segundo o hospital, ele estaria em Florianópolis. Em reportagem publicada nesta quinta-feira, o administrador disse que até segunda o governo do Estado deve repassar cerca de R$ 300 mil em recursos. A quantia é o suficiente para quitar o salário dos funcionários, que deveria ter sido depositado no quinto dia útil deste mês e, ao todo, R$ 202 mil.