Zahyra Mattar
Tubarão

Os bancos voltarão a negociar com os trabalhadores em greve desde a última quinta-feira somente na próxima semana, após o primeiro turno das eleições.
Até as 19 horas desta sexta-feira, nenhuma nova proposta havia sido apresentado ao sindicato da categoria. No fim de semana, por se tratar de período eleitoral, dificilmente haverá alguma reunião.

Na base do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Tubarão e Região (SEEBTR), 19 das 45 agências estão com atividades paralisadas. Eram 21 quinta-feira. Contudo, os funcionários do Santander e do Real resolveram retornar ao trabalho e abandonar o movimento.

Reivindicações
• Reajuste salarial de 11% (os bancos ofereceram 4,29%, o mesmo indicador do INPC, o mais baixo. O percentual fica abaixo da inflação (4,49%).
• Maior Participação nos Lucros e Resultados (PLR).
• Medidas de proteção à saúde.
• Garantia de emprego.
• Mais contratações.
• Maior segurança contra assaltos.

Opções para driblar a greve

Como previsto, alguns consumidores tiveram problemas para conseguir sacar dinheiro, nesta sexta-feira, nos caixas eletrônicos das agências cujos funcionários estão em greve (veja quais no quadro) há três dias.

Isto poderá voltar a ocorrer durante o fim de semana. Os equipamentos, conforme ficou indicado na assembleia da última quarta-feira, quando os trabalhadores da região votaram por se unir ao movimento nacional, não serão abastecidos.

Para driblar a situação, o usuário poderá fazer alguns procedimentos nas casas lotéricas. O valor máximo diário para depósito e saque é de R$ 1 mil. Em Tubarão, também há a opção de utilizar a estrutura da cooperativa de crédito Sicredi Sul Catarinense.

A instituição, regulada e normatizada pelo Banco Central, não adere a nenhum tipo de paralisação, já que os donos dos negócios são os próprios clientes. A Sicredi Sul oferece os mesmos serviços de um banco e pode ser utilizado inclusive para quem não é associado.

Serviço
A Sicredi Sul Catarinense fica na avenida Rodovalho, 228, no centro de Tubarão. Mais informações pelo telefone (48) 3631-0500.