Brasília (DF)

A crise boliviana já afeta o fornecimento de gás para o Brasil. Uma explosão causou danos em parte de um gasoduto que traz o produto ao mercado brasileiro e provocou a suspensão parcial do abastecimento, segundo a empresa estatal Yacimientos Petroliferos Fiscales Bolivianos (YPFB).

“Confirmamos que a explosão provocou fissuras e serão enviados três milhões de metros cúbicos a menos por dia ao Brasil. Serão necessários 15 dias para a reparação”, afirmou à BBC Brasil a assessoria de imprensa da empresa. O corte representa cerca de 10% do gás enviado diariamente.

O presidente interino da YPFB, Santos Ramírez, disse que se trata de um “atentado terrorista” contra a pátria e responsabilizou as autoridades departamentais (estaduais) que incentivam a pressão contra o governo central, segundo a Agência Boliviana de Informação (ABI).

Ramírez avaliou que, com a redução, o prejuízo é de cerca de US$ 8 milhões por dia. A Bolívia produz aproximadamente 40 milhões de metros cúbicos diários de gás, dos quais 31 milhões são destinados ao Brasil, seis a sete milhões ao mercado interno e o restante à Argentina, segundo a ABI.

A explosão ocorreu em Palmar Grande, no departamento (estado) de Tarija. “A população ouviu uma explosão e saiu correndo”, disse o presidente do Comitê Cívico de Tarija, Reinaldo Bayard. Segundo ele, outra usina (de Vuelta Grande, no caminho para a Argentina), está parada. Lá, é armazenado o gás enviado para o Brasil e para a Argentina.