Os produtores rurais de Santa Catarina contarão com o apoio da Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural para investir na produção de trigo, triticale e cevada. A intenção é ampliar em 120 mil hectares a área plantada com grãos de inverno no estado e aumentar a oferta de matéria-prima para ração animal.

O Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno Destinados à Produção de Grãos fará parte do Programa Terra Boa e garantirá o apoio no pagamento do seguro rural. Um dos maiores entraves para a produção de cereais de inverno são os custos de produção.

Para incentivar os produtores, a Secretaria da Agricultura irá apoiar o pagamento do seguro rural. Os produtores receberão R$ 200 por hectare efetivamente plantado de cereais de inverno, seguindo as normas do Programa.

A intenção da Secretaria da Agricultura é trazer mais competitividade para as agroindústrias instaladas no estado e mais renda aos produtores rurais. “A produção de proteína animal tem papel fundamental no agronegócio catarinense e a oferta de grãos é peça-chave para mantermos a competitividade desse setor”, afirma o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo de Gouvêa.

Ele explica que o Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno surge após um trabalho intenso e conjunto de diversas entidades, produtores e Governo do Estado para garantir o futuro do agronegócio catarinense”. Grande produtor de carnes e leite, Santa Catarina é hoje o maior importador de milho do Brasil.

Todos os anos cerca de quatro milhões de toneladas do grão são importados de outros estados e países para abastecer a cadeia produtiva catarinense. Com o Programa de Incentivo ao Plantio de Grãos de Inverno, a Secretaria da Agricultura e a iniciativa privada querem estimular os agricultores a plantar trigo, triticale e cevada.

Assim, podem complementar a ração animal e trazer mais renda para os produtores rurais, sem interferir na safra de verão. “Por meio do incentivo à produção de trigo, cevada e triticale queremos minimizar o deficit na produção de milho. Ou seja, usar as nossas áreas que estão em pousio no inverno e fomentar, com o apoio das cooperativas e agroindústrias, a produção desses cereais, os quais podem ser utilizados na ração animal e dar suporte a toda cadeia produtiva animal”, explica o secretário adjunto da Agricultura, Ricardo Miotto.

A Secretaria irá participar com um aporte de R$ 200 reais na subvenção ao seguro por hectare, um valor bastante expressivo para tranquilizar os produtores e incentivar a produção.

 

Compra antecipada

Outro grande diferencial do Projeto é permitir o estabelecimento de contratos futuros entre as cooperativas e os produtores rurais, garantindo a compra dos cereais pelo mercado consumidor de grãos, destinados à produção de ração.

As agroindústrias, cooperativas ou fabricantes de ração se comprometem em adquirir o volume de grãos acordado com o produtor, a preços pré-fixados ou a critério do vendedor, e o pagamento será efetivado por ocasião da entrega dos produtos.

 

Programa Terra Boa

O Programa Terra Boa contempla ainda o apoio para aquisição de 200 mil sacos de semente de milho, 300 mil toneladas de calcário, 3,5 mil kits forrageira, mil kits solo saudável e 500 kits apicultura. O investimento total será de R$ 53,5 milhões e a expectativa da Secretaria da Agricultura é atender 70 mil agricultores em todo o estado.

O Programa é resultado de um convênio firmado entre a Secretaria de Estado da Agricultura, da Fazenda, agroindústrias e cooperativas.