Laguna

O governador Raimundo Colombo assinou ao meio-dia desta terça-feira (23), na a ordem de serviço para pavimentação da via de acesso ao Farol de Santa Marta, a SC-100, em Laguna. Assinaram também, o secretário de infraestrutura, Luiz Fernando Cardoso, o presidente do Deinfra, Wanderley Agostini e o secretário da ADR de Laguna, Luiz Felipe Remor. O documento foi entregue ao representante da BCL Empreendimentos Ltda, Arcangelo Librelato.

A empresa foi a que apresentou o menor preço , no valor de R$ 3.887.113,08. O edital de licitação foi lançado em janeiro deste ano, pelo Deinfra.

Os serviços que já iniciaram nesta terça-feira (23) compreendem a execução de terraplanagem, pavimentação, drenagem, obras de arte, sinalização, obras complementares, obras de arte especiais, serviços diversos e meio ambiente, numa extensão de 2,442 km.

Durante a solenidade de assinatura, o prefeito Mauro Candemil relembrou o histórico do Farol e salientou a importância desta obra para a região. “A beleza do Farol é uma referência, que merece ser preservada e contemplada com ações de desenvolvimento. Muito feliz em fazer parte deste momento para minha cidade”.

O deputado e o secretário de infraestrutura, Luiz Fernando Cardoso (Vampiro), comemorou o fato de que a temporada de 2018 será diferente para a região. E aproveitou o momento para entregar ao governador um documento de reinvindicação sobre o credenciamento da pesca.

Já o vice-governador, Eduardo Pinho Moreira destacou a promessa feita em 2016. “Eu disse que só voltaria ao Farol no dia que as máquinas estivessem na pista, e cá estou hoje. Muito feliz, realizando o sonho de todos vocês, e proporcionando ao Farol o desenvolvimento com qualidade”. Por último, o governador Raimundo Colombo, frisou os perçalcos enfrentados para a realização desta obra. “Tivemos muitos desafio, mas hoje entrego essa Ordem de Serviço com a sensação de dever cumprido”, salientou. Colombo ainda afirmou para a comunidade do Farol que na segunda-feira estará em Brasília e reinvindicará quanto a situação dos pescadores da região. “É um ordem que vem de cima, mas no que eu puder vou intervir”.