O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse que não estava no local e, por isso, não fará juízo de valor sobre militares que alvejaram com 80 tiros o carro de uma família no último domingo (7/4). Na ação, o músico Evaldo Rosa dos Santos foi morto. A esposa e o filho do casal, de apenas 7 anos, também estavam no veículo e conseguiram escapar.

Em entrevista ao veículo, Witzel comentou: “Não sou juiz da causa. Não estava no local. Não era a Polícia Militar. Quem tem que avaliar todos esses fatos é a administração militar. Não me cabe fazer juízo de valor nem muito menos tecer qualquer crítica a respeito dos fatos”, afirmou.

Witzel defendeu a realização de uma auditoria militar para investigar a ação dos oficiais. “O exército entendeu que a competência de apuração dos fatos é dele. Se a Justiça Militar disser que não, vai declinar a competência. A única coisa que queremos é que os fatos sejam esclarecidos”, completou em entrevista ao jornal.

O governador lamentou a morte de Evaldo, mas em discurso durante a posse do presidente do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, parabenizou a atuação das Forças Armadas durante o período da intervenção militar no estado.