As gêmeas siamesas que nasceram em Goiânia e foram separadas seguem em estado gravíssimo na UTI do Hospital Materno Infantil. Elas começaram a receber alimentação líquida com uma sonda ligada ao estômago, antes elas se alimentavam pela veia. Débora e Catarina nasceram no dia 22, unidas pelo tórax e abdômen, compartilhando o fígado.

 

Elas estão em recuperação após a cirurgia de separação e respiram com ajuda de aparelhos. Uma delas precisa de cirurgia com urgência no coração, porém ainda não há previsão de quando ela possa ser feita.

Viviane de Menezes dos Santos, de 30 anos, mãe das meninas, já recebeu alta médica e possui livre acesso à UTI. No entanto, o contato físico entre a mãe e as filhas é limitado.