Amanda Menger
Tubarão

A Fundação de Meio Ambiente (Fatma) continua sem gerente regional em Tubarão. Ontem, chegou a circular alguns rumores de que a estatal teria um novo responsável, uma vez que o anterior, Cidinei Galvani, foi exonerado do cargo a pedido do governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB), segunda-feira.
O presidente da Fatma, Murilo Flores, por meio da assessoria de imprensa, disse que não há oficialmente nenhuma indicação. “O presidente diz que não há pressa para indicar alguém. Esse é um cargo de responsabilidade e é preciso ter calma, até porque depende de aprovação da secretaria estadual de articulação política. O importante é que os processos que dependem da Fatma de Tubarão não estão parados. O que precisa de alguma assinatura importante é enviado para Florianópolis”, afirma a assessoria.

Cidinei não foi afastado da estatal e continua como técnico de carreira. Na Operação Gaia, realizada no dia 13 pela da Polícia Civil de Tubarão e Ministério Público, ele e outras quatro pessoas, incluindo um outro funcionário da Fatma, foram presos temporariamente para prestar depoimentos. Há uma semana, o governador decidiu ainda suspender em todo o estado, as licenças ambientais concedidas pela Fatma para funcionamento de postos de combustíveis que foram baseadas em laudos periciais emitidos por uma empresa de São José. Segundo investigações da Polícia Civil de Tubarão, estes laudos seriam falsos.