A Fundação Bill e Melinda Gates prometeu nesta quarta-feira (5) alocar US$ 100 milhões na luta contra o novo coronavírus que surgiu na China, que já tirou a vida de quase 500 pessoas.

“Organizações multilaterais, governos, setor privado e organizações filantrópicas devem trabalhar juntas para conter a epidemia, ajudar os países a proteger seus cidadãos mais vulneráveis e acelerar o desenvolvimento de ferramentas para controlar a epidemia”, disse o diretor-geral da Fundação Gates, Mark Suzman.

Dez dos 100 milhões foram anunciados no final de janeiro. Vinte milhões serão destinados a instituições como a Organização Mundial de Saúde (OMS), os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos e seu equivalente na China, bem como a Comissão Nacional de Saúde da China.

Outros 20 milhões serão destinados às autoridades de saúde pública em países da África Subsaariana e do Sudeste Asiático, regiões que foram desproporcionalmente afetadas por epidemias recentes, incluindo a pandemia do H1N1 em 2009.

Os 60 milhões restantes serão destinados à pesquisa de vacinas, tratamentos e ferramentas de diagnóstico.