Wagner da Silva
Braço do Norte

Funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) da unidade de Braço do Norte tiveram uma surpresa no fim da tarde de sexta-feira. Por telefone, os três motoristas socorristas aprovados no concurso público da prefeitura, acusados de ilegalidades nos documentos para efetivação, foram exonerados dos cargos.
Segundo o motorista de serviço no dia, Gustavo Menegaz Izidoro, a secretária de saúde da prefeitura, Lúcia Teresinha Giordani Volpato, a Zinha, não deu nenhuma explicação.

“Recebi a ligação apenas informando que estava despedido. A única coisa que falou a mais foi que deveria passar no setor pessoal na quarta-feira”, relata.
Gustavo informa que, para não prejudicar o trabalho, permaneceu na unidade para um deslocamento até o Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão. “Ela (a secretária) não falou nada sobre a continuidade no plantão. Isso foi autorizado pela regulação médica, para buscar alguns materiais em Tubarão. Na volta, ela tomou a chave da ambulância da minha mão”, conta o ex-motorista.

Regras
O coordenador da unidade, Filipe Macalão, informa que seguiu a determinação. “Foram ordens superiores e estamos aqui para cumpri-las. Não vou julgar se a decisão foi correta. Adianto que pedi à secretária de saúde para que, se houver um processo seletivo, quero participar. No Samu, não tem politicagem e sim normas e protocolos. E isso está bem claro no edital do concurso. Farei com que as regras sejam fielmente seguidas”, declara Filipe.

Secretária diz que cumpriu determinação

A secretária de saúde da prefeitura, Lúcia Teresinha Giordani Volpato, a Zinha, garante que a exoneração dos três motoristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Braço do Norte foi orientada pelo Departamento Pessoal da Administração (DPA) da prefeitura.
Zinha diz ainda que, após ter telefonado aos três motoristas, procurou, sem sucesso, contato com a unidade do Samu. “Acionei o 192, mas era informada de que a unidade estava inoperante. O objetivo era encontrar, dentro do Samu, outro motorista que pudesse substituir os exonerados”, explica a secretária.
Novos motoristas serão contratados em caráter provisório.

“Tem um decreto que permite essa contratação. Em virtude do feriado prolongado, solicitei que duas pessoas fossem chamadas. Elas já trabalharam no Samu e estão na lista de aprovados. Tomei esta decisão e, em seguida, comuniquei à central, em Criciúma. O médico de plantão informou estar ciente e aprovou a decisão”, afirma a secretária.
Zinha defende a atitude de pegar a chave da ambulância das mãos do motorista. “Fiz uma cobrança por ele (o motorista exonerado) ter saído do município dirigindo a ambulância. Solicitei que me entregasse as chaves. Não houve bate-boca. Se houve alteração no comportamento, foi de ambos os lados”, argumenta.