Uma faixa sinaliza a greve em Tubarão, no bairro Oficinas.
Uma faixa sinaliza a greve em Tubarão, no bairro Oficinas.

Karen Novochadlo
Tubarão

Os trabalhadores de empresas de transporte de valores de Tubarão entraram em greve ontem. A paralisação ocorre em todo o estado. Caso a negociação não ocorra logo, faltará dinheiro nos caixas eletrônicos de bancos, supermercados e shopping.

O objetivo do Sindicato dos Trabalhadores em Carro Forte, Guarda, Transporte de Valores e Escolta Armada de Santa Catarina (Sintravasc) é negociar melhores salários e findar a compensação de horas. “Nosso horário é de 7h20min por dia, mas, às vezes, trabalhamos 13 horas. Os patrões querem nos compensar ao dar o sábado de folga, quando não há muito transporte”, explica o diretor do sindicato na região sul, Erik Pereira Zeferino.

A categoria reivindica aumento de 10% e a elevação do vale-alimentação de R$ 379,00 para R$ 478,00. Antes de entrar em greve, as empresas do setor, representadas pela Prosegur e Brinks, ofereceram 7,5% a mais no salário e uma redução da compensação para 20%, o que foi recusado pelos trabalhadores.

Até ontem, o sindicato ainda não havia recebido uma proposta. O Notisul tentou entrar em contato com a Prosegur em Tubarão, Criciúma e Florianópolis, mas não obteve resposta.

Em Tubarão, a única empresa de transportes é Prosegur. São cerca de 50 trabalhadores na área na cidade. Hoje, equipes do sindicato de Florianópolis e Criciúma se deslocarão até Tubarão para dar apoio aos trabalhadores.

R$ 989,00 é quanto ganha um guarda de valor por mês.

R$ 1.109,00 é o salário de um chefe de equipe.