Zahyra Mattar
Tubarão

A grande maioria dos funcionários dos bancos de Tubarão e região optou pela paralisação de 24 horas hoje. A data da parada foi escolhida de forma a não interromper o pagamento dos aposentados e pensionistas. Participam da parada agências dos municípios de Tubarão, Armazém, Braço do Norte, Capivari de Baixo, Grão-Pará, Gravatal, Jaguaruna, Lauro Müller, Orleans, Pedras Grandes, Rio Fortuna, Santa Rosa de Lima, São Ludgero, São Martinho, Sangão e Treze de Maio.

Todos retornarão ao trabalho amanhã. Aproximadamente 100 pessoas participaram da assembléia na noite de ontem, na sede do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Tubarão e Região, em Tubarão. A categoria negocia com os bancos desde agosto em todo o país. Conforme o presidente do sindicato, Armando Machado Filho, a pauta de reivindicações é extensa.

Ao item de maior peso – o reajuste salarial – os sindicalistas propõem aumento de 16%. A contraproposta dos bancos foi de 7,5%. “Junto com os 16% de reajuste salarial, pedimos ainda a participação nos lucros e a revisão do plano de carreiras e salários. Mas a pauta, é importante salientar, contempla cláusulas sociais, sindicais e de saúde, além das econômicas”, detalha Armando.

Por ora, explica o presidente, não há indicativo de greve por tempo indeterminado. “Queremos sentar e negociar o melhor para ambos os lados. O diálogo sempre prevalecerá. O bom seria se não precisássemos nem mesmo chegar a paralisar”, lamenta Armando. Para os funcionários do Besc, que a partir de hoje integram a equipe de funcionários do Banco do Brasil, não há nenhuma modificação: tanto para os clientes quanto para os trabalhadores.

O presidente informa que a marca e a bandeira Besc permanecerá intocada por cinco anos. Armando também acredita que o receio de demissões de funcionários do Besc é desnecessário. “O máximo que poderá ocorrer são transferências não obrigatórias. O Besc possui hoje 3,4 mil trabalhadores no estado. Destes, 700 são remanescentes do tempo anterior ao concurso público.

Metade destes trabalhadores aderiu ao Plano de Demissão Incentivada (PDI) e continua nos cargos até 2010. A outra parte, que não optou pelo PDI, continuarão como funcionários do Banco do Brasil e terão a possibilidade de ter acesso ao Plano de Cargos e Salários do banco. Nesta quinta e sexta-feira, Armando prevê uma nova rodada de negociação com os bancos onde possivelmente será apresentada uma nova proposta, cujo teor deverá ser analisado na próxima semana.