O senador Flavio Bolsonaro (sem partido-RJ) gravou vídeo para informar que o Aliança pelo Brasil, partido criado pelo presidente Jair Bolsonaro, não conseguirá ser registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a tempo de disputar as eleições municipais deste ano.

A peça deve ser divulgada nas redes sociais ainda nesta 5ª feira (5), segundo informou a jornalista Bela Megale, do jornal O Globo, que teve acesso ao vídeo.

“Apesar de todo o suporte técnico que o TSE tem dado na criação do partido, ele infelizmente não vai se viabilizar a tempo. E não apenas por isso. Há uma decisão política nossa de que é melhor a formação do partido acontecer com bastante calma. Não tem porque ter pressa já pra esse ano. Nós queremos 1 partido para o resto da vida. Um partido que vai chegar muito bem estruturado e organizado para 2022 e todas as eleições seguintes, e não apenas para esses períodos”, disse o senador.

Para o registro do partido no TSE, são necessárias 491.967 assinaturas em pelo menos 9 Estados, vinculadas a títulos de eleitor. Estas devem ser validadas pela Justiça Eleitoral até 4 de abril para que a legenda possa disputar a eleição.

O Aliança, no entanto, está longe do número, de acordo com relatório do Tribunal, que mostra que das mais de 22.000 assinaturas do partido analisadas, 7.298 foram consideradas válidas e 15.032, inválidas. Há ainda 55.407 assinaturas para serem analisadas.

Os dados mostram ainda que 78% das assinaturas negadas se deram porque o eleitor que preencheu a ficha de apoiamento já era filiado a outro partido. Estas poderiam ter sido validadas caso o STF (Supremo Tribunal Federal) tivesse tornado válido que 1 eleitor já filiado a 1 partido pudesse assinar lista apoiando a criação de uma nova legenda. A Corte, no entanto, rejeitou ação que pedia essa liberação.

O relatório do TSE diz ainda que há 7 assinaturas de pessoas mortas na lista de apoio do Aliança. Em nota, a assessoria do senador Flavio Bolsonaro informou que, dos 7 casos, “6 foram preenchidos com o número errado do título de eleitor do apoiador, ou alguma outra falha técnica similar” e outro trata-se de 1 apoiador que assinou a ficha em 26 de janeiro e morreu em 21 de fevereiro.

No vídeo, Flavio Bolsonaro diz que o Aliança computou mais de 1 milhão de fichas de apoiamento. O filho mais velho do presidente pediu ainda que as pessoas se desfiliem antes de assinar o documento de apoio à sigla em criação.