Tubarão

O aumento de 16,7% no valor do pedágio cobrado pela Autopista Litoral Sul, concessionária da BR-101 norte (entre Palhoça e Curitiba) foi questionado pela Federação das Indústrias (Fiesc). O órgão encaminhou na semana passada um ofício à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para solicitar o adiamento da cobrança da nova taxa.

A partir de amanhã, o pedágio está programado para passar de R$ 1,20 para R$ 1,40. O presidente em exercício da entidade, Glauco Côrte, ressalta que o índice de aumento aprovado é incompatível com o nível de inflação do país.

A Fiesc pede que, antes de aumentar a tarifa, sejam esclarecidas as inconsistências apresentadas no estudo encomendado pela federação sobre a concessão do trecho norte da rodovia. O trabalho da Fiesc, divulgado em dezembro do ano passado, mostra que os investimentos realizados pela concessionária são desproporcionais à arrecadação realizada nas praças de pedágio de Santa Catarina. O trecho entre Palhoça e Curitiba tem 382,3 quilômetros.

Deste total, 270,2 quilômetros ficam em Santa Catarina. Das cinco praças de pedágio do trecho, quatro estão em território catarinense, mas as obras importantes são adiadas constantemente, enquanto na extensão paranaense os serviços já são executados.
O cronograma de trabalho, que, pelo contrato de concessão, deveria ser executado até 2012, foi prorrogado para 2016, por meio de uma resolução da ANTT. Essa ampliação do prazo afetou obras importantes como o contorno rodoviário de Florianópolis.