Amanda Menger
Imaruí/Laguna

Na próxima semana, o Departamento Estadual de Transportes e Terminais (Deter) deverá anunciar quando serão feitos os primeiros testes com o ferry-boat entre Laguna e Imaruí. As obras de dragagem e de construção dos atracadouros no canal da Lagoa de Imaruí estão em fase final.

“Falta bem pouco para inaugurarmos a obra. Após a avaliação dos testes, marcaremos com o governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) a data da inauguração”, confirma o secretário de desenvolvimento regional em Laguna, Mauro Candemil (PMDB).
O ferry-boat diminuirá o tempo de deslocamento entre a comunidade de Perrixil, em Laguna, e o centro de Imaruí. “Os 80 quilômetros de estrada são percorridos em 40 minutos. Com a travessia do canal, serão dois quilômetros percorridos em dez minutos”, observa Mauro.

Em Imaruí, a balsa atracará ao lado da rodoviária, no centro. “Além de facilitar a vida dos moradores destas comunidades, o ferry-boat também será um atrativo turístico, principalmente àqueles que querem conhecer o santuário da beata Albertina Berkenbrock, em São Luís”, pontua o secretário.

Novo edital para explorar o serviço
da balsa em Laguna será lançado

Cíntia Abreu
Laguna

Há cerca de quatro anos, os moradores da região da Ilha, em Laguna, adquiriram o direito de pagar somente 50% do valor da passagem da balsa. O benefício foi dado por meio do decreto municipal 1.769. O documento, porém, parou de vigorar e todos pagam o mesmo valor, independente de onde residem: R$ 8,00 para carros, R$ 2,50 para motos e R$ 23,00 para caminhões. Pedestres e ciclistas não pagam.

“O proprietário da balsa entrou na justiça e alegou que o município não apresentou um custeio para os outros 50% que não seriam pagos pelos cidadãos”, explica o procurador geral da prefeitura, Gelson Luiz de Souza. O entendimento judicial foi que há necessidade de um estudo econômico das famílias da Ilha.

Para solucionar o problema, a prefeitura de Laguna pretende lançar, ainda este ano, um novo edital para que outros empresários explorem o serviço. “Desta vez, vamos especificar que os cidadãos das comunidades da região da Ilha pagarão apenas 50% do valor do transporte na balsa”, anuncia Gelson.