Muitos foram os fatores que contribuíram com o desenvolvimento de Tubarão nestes 151 anos. A malha ferroviária, entretanto, tem grande importância no crescimento da cidade. É por meio dos trilhos da Ferrovia Tereza Cristina (FTC) que o carvão é levado para a geração de energia elétrica e que tantos outros produtos são transportados diariamente, saindo do terminal Intermodal Sul em direção ao Porto de Imbituba.

A história da instalação da linha férrea também se confunde com a do Município. A ferrovia surgiu dentro da cidade e foi ao redor dela que comunidades cresceram. O bairro Oficinas, por exemplo, leva este nome, pois desenvolveu-se a partir das oficinas mecânicas para reparos das locomotivas.

Por causa do trabalho, muitos colaboradores passaram a residir nas proximidades da empresa. “Temos muito orgulho em poder contribuir com o desenvolvimento da cidade, de oportunizar o crescimento das pessoas e de gerar emprego e renda”, aponta o diretor-presidente da FTC, Benony Schmitz Filho.

Transporte do desenvolvimento
Os trilhos foram implantados em Tubarão em 1875, com a formação da Cia Inglesa The Donna Thereza Cristina Railway Co Ld. A ferrovia foi o primeiro e principal agente de mudanças econômicas e sociais no município e na região, junto com a exploração do carvão e a imigração europeia.

Porém, foi em 1997 que a FTC assumiu a concessão do modal ferroviário da malha Sul catarinense, e de lá para cá, mais de 67 milhões de toneladas de cargas já foram transportadas. Dessas, mais de 64 milhões foram de carvão mineral e mais de 3 milhões de toneladas de cargas diversas em contêineres.

“Nosso caminho sempre foi pautado na ética, no desenvolvimento contínuo e na responsabilidade socioambiental e corporativa. A Ferrovia existe para transportar cargas com confiabilidade e segurança, transformar negócios em relações duradouras e construir um futuro sustentável, servindo à sociedade, cumprindo suas obrigações e cuidando do meio ambiente”, expõe o diretor-presidente.

O setor ferroviário está em crescimento e o intuito é continuar a contribuir com o desenvolvimento de Tubarão e região. “Seguiremos o propósito de transportar carga pela linha férrea com todos os valores implementados a cada passo de nossa atuação, com a certeza de que o setor se desenvolva, ainda mais, e que seja uma oportunidade de crescimento para o sul de Santa Catarina”, afirma Benony.

Preocupação com a comunidade
Nestes 24 anos história, a Ferrovia Tereza Cristina investiu na ampliação da malha, reduziu o número de acidentes, de passagens de nível e cruzamentos irregulares, passou a usar biodiesel nas locomotivas, melhorou a via permanente e investiu em responsabilidade socioambiental, saúde e segurança ocupacional e operacional. “O cenário do transporte ferroviário mostra o quanto o nosso setor é importante para a mobilidade urbana, seja por meio da movimentação de pessoas, bens ou mercadorias”, valoriza o diretor presidente.

Desde 2020, após a Organização Mundial da Saúde decretar situação de pandemia por conta do avanço da Covid-19 no mundo, a FTC se reinventou para continuar fazendo ações em prol dos colaboradores e para a comunidade em que está inserida. Mesmo assim, foram realizadas diversas campanhas de conscientização para reduzir o número de acidentes de trabalho. Foi um ano no qual a concessionária esteve ainda mais preocupada com a saúde física e emocional das pessoas, buscando a promoção de saúde por meio de ambientes saudáveis e colaborativos.

O Programa Paz na Linha também foi adaptado. Ao invés de fazer panfletagem em comunidades lindeiras, ações de comunicação por meio da Campanha “Pare de pensar que vai dar tempo; Olhe o que você tem a perder; Escute o bom senso; Não arrisque a sua vida” foram realizadas. A sequência de frases é uma forma dinâmica usada para alertar sobre as três palavras que devem ser respeitadas antes de cruzar a linha férrea.

 

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: Assessoria de Comunicação