Wagner da Silva
Braço do Norte

Abrir espaço para novas pessoas dedicarem-se ao evento. Este é o propósito do agora ex-presidente da Feagro, Edésio Volpato. Ele anunciou sua saída da comissão organizadora após o encerramento da feira. Agora ele irá dedicar-se apenas a exposição.

Ele, que participou da organização da feira desde a primeira edição, destacou que os dois últimos anos o evento oferecer maior conforto aos visitantes e qualidade aos expositores.

“Nós realizamos a feira para engrandecer o nome de Braço do Norte. Apesar de comentários maldosos, todos trabalham voluntariamente para que as pessoas saiam do parque com bons pensamentos. Alguns não entendem que a movimentação financeira para organizar o evento é feita antes”, explica Edésio, em tom de desabafo.

Porém, o contato com o público mostra o verdadeiro sentindo da feira. “Mesmo com tempo ruim, conseguimos movimentar a feira. Isso demonstra o respeito dos espectadores. Sabíamos que tínhamos que melhorar e os elogios pela organização, pela qualidade, nos deram motivação para isso. Ainda há muito o que fazer”, considera.

Com relação aos recursos disponibilizados para o evento, Edésio confirma que R$ 100 mil foram enviados pelo do deputado federal Edinho Bez (PMDB) e R$ 30 mil do estado. Outros R$ 100 mil são esperados de uma emenda parlamentar do senador Raimundo Colombo (DEM). “A feira esta consolidada, mas dependemos dos recursos articulados com os políticos”, assinala.

Problema a ser resolvido
Os números oficiais da Feagro ainda não foram computados pela comissão organizadora. O agora ex-presidente, Edésio Volpato, acredita que as expectativas, tanto em público quanto em movimentação econômica, foram superadas. Contudo, Edésio pontua uma questão a ser resolvida: “Apesar de nossa meta não seja expandir, mas sim buscar a qualidade, o problema atual é estacionamento. É algo para ser solucionado na próxima edição”, sugere Edésio.

Saída pacífica
O agora ex-presidente da Feagro, Edésio Volpato, pontua que deixa a comissão organizadora sem atritos. Para ele, o relacionamento com os que continuam não está abalado. “Tenho muitos compromissos e está difícil conciliar. Este é o motivo porque deixo a Feagro. A equipe é excepcional, de muita garra. Não medem esforços para realizar um evento a altura de Braço do Norte”, elogia. Edésio estava na comissão desde a primeira edição da Feagro, quando a feira ainda tinha o nome de Feira Agropecuária.