Rafael Andrade 

São Ludgero/Braço do Norte

Família, grupo das pessoas que compartilham a mesma casa, especialmente os pais, filhos, irmãos etc.. Indivíduos que possuem relação de parentesco, cujas relações foram estabelecidas pelo casamento, por filiação ou pelo processo de adoção. A definição de uma das palavras mais utilizadas na língua portuguesa resume somente o que a gramática pode explicar, mas, quando jaz um membro amado deste círculo, ou dois, como detalha o caso central desta matéria, fica bem mais complicado de pelo menos tentar entender, como ocorreu no domingo passado (1°) na SC-108, em São Ludgero, quando a família Antikievuski, de Braço do Norte, passou o dia enlutada, pela segunda vez.


Era madrugada, por volta das 3h30, temperatura em declínio, por volta dos 6°C, quando, um VW Saveiro saiu da pista e caiu em uma ribanceira. Foram os últimos 40 metros de vida de Douglas Antikievuski, de 21 anos, entre a rodovia estadual e o chão do barranco, úmido e gélido em decorrência do orvalho do inverno que caíra naquele trecho cercado por árvores nativas. Ali, o corpo de Douglas ficou dentro do veículo que estava em seu nome. Ao seu lado ficou o amigo, Ivonei Matos, 19, em estado grave, preso nas ferragens, lutando por cada inspiração até a chegada do socorro. Um dos bombeiros que atuaram no caso, o sargento Dirceu Medéa Neto, informa que um morador escutou um forte barulho, saiu e viu marcas de pneus na grama à margem da SC-108, e não via nada, assim, ligou 193, e a Central enviou, de pronto, a guarnição de São Ludgero, comandada, na ocasião, pelo chefe de socorro, sargento Medéa, que chegou à rodovia em poucos instantes. “Entramos na mata e havia muitas árvores, além da inclinação acentuada”, lembra o socorrista. “Peço a Deus que console essa família e que o Espírito Santo os conforte”, emenda o militar.


Conforme informações do Corpo de Bombeiros Militar (CBM) de São Ludgero e da Polícia Militar Rodoviária (PMRv) do posto de Guatá, em Lauro Müller, o carro saiu da pista, capotou na ribanceira. Para conseguir resgatar as vítimas, o socorro precisou utilizar uma estrada paralela, já que o local era de difícil acesso.


As causas do acidente seguem sendo apuradas. Ivonei, que foi levado inicialmente à Fundação Hospital Santa Otília, em Orleans, precisou ser transferido para a UTI do Hospital São José, em Criciúma. A perícia ainda não apontou quem dirigia o VW Saveiro.


No início do texto afirmamos a perda de dois membros da família, então relembramos, de maneira rápida, em respeito aos pais, Alair e Edemar e a irmã, Karin Antikieveski, 27, quando em outro ano marcante, 2014, Djhonas Momm Antikieveski, 25, faleceu em um acidente de trabalho na Cia. da Cerâmica, na SC-370, no Rio Bonito, em Braço do Norte, deixou um filho que faria 6 meses naquela semana do óbito. “Ele estava concluindo uma instalação quando tomou um choque e morreu. Meus dois irmãos trabalhavam juntos, inclusive, nesse dia, o Douglas estava junto do Djhonas, auxiliando-o na instalação, e presenciou o acontecimento”, recorda Karin, emocionada. Ela complementa: “Em nome da família, gostaria de agradecer a todos pelas diversas manifestações de carinho, pesar e tentativa de nos confortar nesse momento. Sentimo-nos abraçados. Foram duas perdas precoces e arrasadoras em nossas vidas, isso nos desperta a reflexão… De como cada momento é único, e da dimensão ocupada por eles em nossos corações. Hoje, só nos resta a saudade”.