Wagner da Silva
Braço do Norte

Os três motoristas socorristas do Samu de Braço do Norte acusados de falsificação de documentos para efetivação procuraram um advogado após serem exonerados por telefone, na última sexta-feira, e foram orientados a não assinar nenhum documento. Eles terão que ir até o departamento pessoal da prefeitura amanhã, a fim de regularizar a saída.

Ainda sem saber o porquê da exoneração, o motorista socorrista Ronaldo Bittencout está indignado com as acusações. “Meu advogado buscou conhecer os fatos e irá tomar as providencias cabíveis. Uma delas é a orientação de não assinar nada”, resume. O colega de Ronaldo, Gustavo Menegaz Izidoro, também fará o mesmo.
Segundo eles, não há sentença, portanto, não poderiam ser exonerados e julgados em praça pública. “Não houve parecer da equipe responsável por analisar o inquérito ou o processo administrativo. Por que a decisão de uma hora para outra?”, questiona Gustavo.

Secretária afirma que
seguiu a determinação

Em entrevista ao Notisul, a secretária de saúde da prefeitura de Braço do Norte, Lúcia Teresinha Giordani Volpato, a Zinha, garantiu que a exoneração dos três motoristas do Samu foi orientada pelo departamento pessoal da administração da prefeitura.

As vagas deixadas pelos três funcionários ainda estão em aberto. Conforme Zinha, novos motoristas serão contratados em caráter provisório. “Tem um decreto que permite essa contratação. Em virtude do feriado prolongado, solicitei que duas pessoas fossem chamadas. A decisão foi aprovada pelo médico de plantão da regulação do Samu (em Criciúma)”, afirmou Zinha, na edição de ontem.