Wagner da Silva
Rio Fortuna

Uma comissão formada por professores da escola estadual Nossa Senhora de Fátima, de Rio Fortuna, reuniu-se com o secretário de desenvolvimento regional em Braço do Norte, Gelson Luiz Padilha (PSDB), e a gerente de educação, Catea Albertina Alberton, para que a SDR intervenha contra a decisão da secretaria estadual de educação de exonerar o assessor da direção, José Lembeck.

A decisão do estado é baseada na lei complementar 305/05, que autoriza o cargo somente nas escolas com número superior a 600 alunos. Na escola Nossa Senhora de Fátima, há pouco mais de 560 alunos. Mas, segundo a direção da instituição, o número de estudantes varia durante o ano devido à grande quantidade de empresas instaladas no município, responsáveis pela construção de usinas hidrelétricas.
Paralelamente, os professores destacam que um outro motivo para a redução de alunos na escola estadual é o fato das séries iniciais até a 4ª série começaram a ser transferidas para a responsabilidade do município. Atualmente, está em funcionamento na instituição apenas uma turma da 4ª série. Antes eram duas.

Os professores que apoiam a direção não questionam a lei, mas o fato de ninguém ter sido comunicado antecipadamente e ainda pelas particularidades da instituição não terem sido levadas em consideração. “São menos alunos que o determinado em lei, mas é preciso bom senso da secretaria estadual de educação. A escola é única no município e funciona nos três turnos. Não há como o diretor atuar sozinho”, explica a professora Gilmara Raquel Wessler.

Com a decisão do estado, o diretor da escola, José Afonso Costa, afirma que pedirá exoneração se a questão não for resolvida em 15 dias, prazo pedido pelo secretário regional para buscar uma solução junto à secretaria de educação, em Florianópolis. “Se a resposta for negativa, oficializarei o meu pedido de exoneração. Não é possível fazer um bom trabalho sozinho”, declara.

Secretaria regional
O secretário de desenvolvimento regional, Gelson Luiz Padilha (PSDB), prometeu ao grupo que irá empenhar-se em favor da escola. “Comprometo-me em levar pessoalmente a reivindicação dos professores ao secretário estadual (Paulo Bauer), colocar a situação e as alegações para que o assessor continue no cargo. Mas quero deixar muito claro que o afastamento do assessor não tem nada a ver com questões políticas”, pontua.