A comunidade do bairro Próspera teve 23 eucaliptos derrubados na Praça da Chaminé, no início da manhã desse sábado, dia 1, em Criciúma. Os maquinários estiveram no pátio da praça às 6h e teriam pegado os moradores de surpresa. De acordo com Eliege Santiago, presidente da Associação de Moradores da Próspera, a Prefeitura errou em não comunicar a comunidade previamente. “Os caras chegaram às 6h de sábado e todo mundo foi pego de surpresa. Não comunicaram ninguém e derrubaram as árvores”, reclama. Segundo ela, derrubar as árvores sem comunicar os moradores locais foi uma atitude equivocada, porque gerou reclamações e as pessoas ficaram sem entender os reais motivos dessa ação da Prefeitura. “Se eles me comunicassem, em menos de uma hora eu organizaria uma reunião no ginásio do bairro com dezenas de pessoas ou então a gente iria ao local e conversaria com os responsáveis. Mas ninguém foi comunicado”, conta Eliege. A derrubada dos eucaliptos gerou vários comentários nas mídias sociais questionando os motivos da ação.

Anequésselen Fortunato, presidente da Fundação do Meio Ambiente de Criciúma (Famcri) explica que as árvores derrubadas, por serem eucaliptos, não necessitam de autorização para serem cortados. Além disso, ela conta que eles estavam ocos e gerando riscos, inclusive, de cair sobre o telhado da creche que há ao lado da praça. “Vamos plantar no mínimo 23 ipês, que são plantas bonitas, com mais de dois metros de altura, que temos no horto florestal”, conta Anequésselen.  De acordo com ela, os galhos podres já estavam entupindo as calhas da creche. Ela explica que os eucaliptos fazem parte de uma espécie invasora e se recomenda o manejo para serem plantadas árvores nativas.

Nesta segunda-feira, dia 3, os técnicos da Famcri avaliarão o terreno e analisarão se a terra precisará ser adubada. Isso porque, segundo Anequésselen, o eucalipto deixa o solo pobre.”Se for preciso, aplicaremos substrato composto para a plantação dos ipês”, explica.

A secretária se infraestrutura de Criciúma, Kátia Smielevski conta que a Praça da Chaminé será revitalizada. “Será construída uma calçada com acessibilidade à creche. Além disso, serão plantados os ipês e toda retirada dos eucaliptos, que já estavam gerando riscos à creche da Afasc”, projeta. Segundo ela, as obras serão realizadas ainda nesta semana. A creche foi reformada e ampliada. Ainda não há um nome definido para o CEI da Afasc.

O Governo de Criciúma emitiu uma nota oficial sobre o episódio. Leia na íntegra:

“Nota oficial”

O Governo de Criciúma, por meio da Fundação do Meio Ambiente de Criciúma (Famcri), esclarece que, devido ao risco de queda, árvores da espécie eucalipto, que estavam podres, foram extraídas da Praça da Chaminé, no bairro Próspera. Os eucaliptos são árvores exóticas, não pertencem à flora natural da região de Criciúma e poderiam, na Praça da Chaminé, causar danos aos moradores e às 350 crianças do Centro de Educação Infantil (CEI) da Associação Feminina de Assistência Social de Criciúma (Afasc), que será inaugurado neste mês no local.

O governo municipal informa, ainda, que árvores nativas da espécie ipê-amarelo e ipê-rosa serão plantadas na Praça da Chaminé a partir dos próximos dias. A Prefeitura de Criciúma também revitalizará o paisagismo da praça e modernizará o sistema de iluminação pública com a instalação de lâmpadas de LED, que proporcionará mais conforto e segurança aos munícipes que frequentam o local.

A Administração Municipal reitera que o corte dos eucaliptos foi fiscalizado por profissionais da Famcri e que, no município de Criciúma, de acordo com a lei municipal n° 7.245, de 28 de junho de 2018, em casos de cortes de árvores das espécies eucaliptos e pinus, não é necessária a obtenção de autorização junto ao órgão ambiental municipal, exceto quando se tratar de Área de Preservação Permanente (APP), Área de Proteção Ambiental (APA) ou Zona de Área de Proteção Ambiental (Z-APA)”.