O estudo que mostra redução dos sintomas e do risco de tratamento em pacientes com Covid-19 com a vacina tríplice viral está disponível na medRxiv. A plataforma on-line da área da saúde disponibiliza artigos antes de serem revisados pelos pares, os chamados pré-prints.

A pesquisa foi realizada pelo Centro de Pesquisa do Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago, da Universidade Federal de Santa Catarina (HU-UFSC), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

A pesquisa analisou a eficácia da tríplice viral no combate à Covid-19, como é conhecida a vacina MMR, que age especificamente contra sarampo, caxumba e rubéola. O estudo, feito com 424 trabalhadores da saúde entre agosto do ano passado e março deste ano, mostra que o imunizante não previne a infecção pelo SARS-CoV-2.

Mas, com uma dose, ela reduz em 48% o risco de o paciente ter sintomas e 76% o risco de necessitar de tratamento específico para esta doença – antibioticoterapia para infecção pulmonar, corticoterapia para hiperinflamação e anticoagulação para fenômenos tromboembólicos – ou hospitalização; com duas doses, os números sobem para 51% e 78%, respectivamente.

“Com o resultado, podemos propor que a vacina MMR seria útil em várias populações do mundo que não têm acesso à vacina para a Covid-19 e em uma nova epidemia ou pandemia como medida de emergência, até tratamentos específicos ou vacinas para cada caso estiverem disponíveis para a população em geral”, concluiu o estudo.

O artigo também aponta que, apesar de os resultados serem interessantes, precisam ser confirmados em um estudo maior. De acordo com o professor Edison Natal Fedrizzi, coordenador do estudo, o artigo também foi enviado para uma revista internacional, onde será analisado por outros pesquisadores antes de ser publicado definitivamente.

Além dos dados que demonstram eficácia da tríplice viral contra a Covid-19, o artigo discute por que isso ocorre. Segundo Fedrizzi, ao longo dos anos, vários estudos têm demonstrado que esse tipo de imunizante, que usa microorganismos vivos e atenuados, apresenta uma excelente resposta imunológica a vários outros agentes, a chamada imunidade heteróloga. Já as vacinas específicas contra Covid-19 atuam na produção de anticorpos, moléculas que agem diretamente contra o coronavírus.

“As vacinas específicas para a Covid-19 provavelmente darão um tempo de proteção maior, por causa da produção dos anticorpos específicos contra a Covid. As vacinas inespecíficas, como estamos analisando com a tríplice viral, têm a finalidade de estimular a imunidade inicial, inata, para a proteção contra outras infecções por um período de 6 a 12 meses, dependendo do estímulo antigênico realizado”, explicou Fedrizzi.

Além da Fapesc, o estudo também conta com apoio do Laboratório FioCruz – Bio-Manguinhos, Secretaria Estadual de Saúde (SES – LACEN) e Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis (SMF).

A Fapesc investiu aproximadamente R$ 2,2 milhões em ações contra Covid-19 em Santa Catarina, incluindo pesquisas e desenvolvimento de produtos para combater a pandemia e seus efeitos. O estudo da tríplice viral é um dos cinco projetos aprovados no edital 06/2020 e recebeu cerca de R$ 100 mil para o desenvolvimento.

 

Fonte: Gov. de SC

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul