Na última semana, os diretores das escolas da gerência de educação da secretaria de desenvolvimento regional em Tubarão participaram de uma web conferência com o secretário Eduardo Deschamps - Foto:Mylene Salgado/SDR-Tubarão/Notisul
Na última semana, os diretores das escolas da gerência de educação da secretaria de desenvolvimento regional em Tubarão participaram de uma web conferência com o secretário Eduardo Deschamps - Foto:Mylene Salgado/SDR-Tubarão/Notisul

Zahyra Mattar
Tubarão

 
Assembleias regionais do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte), hoje, servirão para definir os rumos da greve. Em Laguna, o encontro começa às 14 horas, no centro Cultura Santo Antônio dos Anjos, no Centro Histórico.
 
Em Tubarão, a coordenadoria local do sindicato reúne-se com os educadores no Praça Shopping, às 15h30min. A expectativa é que pelo menos metade dos educadores estaduais confirme adesão à paralisação hoje.
 
Isto representa um universo de aproximadamente 7,7 mil docentes. As duas tentativas de entrar em acordo, no mês passado e na última semana, terminaram de modo frustrado. Antes mesmo da votação da greve, na segunda-feira passada, o secretário estadual de educação, Educado Deschamps, considerou as negociações encerradas.
 
Segundo ele, não será feita nova proposta porque o estado não tem outros meios de quitar o que ordena a lei do piso nacional, cujo reajuste deste ano ficou em 22,22%. “Se alegam não ter como pagar o aumento deste ano, como vão bancar dois percentuais no próximo. A lei prevê reajuste anual”, indaga a professora Tânia Fogaça, uma das coordenadoras regionais do Sinte em Tubarão.
 
Sem previsão de nova proposta, o mais provável é que os docentes não retornem tão cedo para as salas de aula. “O que precisa ficar claro é que o estado não pode se negar a pagar um direito legitamente conquistado. É uma lei. Não reivindicamos um simples aumento salarial”, defende Tânia.
 
Para os pais, a melhor dica no momento é confirmar, junto com as escolas, se haverá, ou não, aula hoje e durante esta semana. Como em todo começo de paralisação, a adesão ao movimento deverá ser gradativa.
 
Propostas recusadas
Primeira tentativa
• No dia 14 do mês passado, o estado ofereceu o pagamento do reajuste de 22,22%, previsto na lei do piso nacional do magistério, mas apenas para os professores em início de carreira.
• O retroativo a janeiro e fevereiro seria pago em duas parcelas (julho e setembro). Para os educadores com graduação e especialização, a intenção é dividir o pagamento do reajuste em três parcelas: uma este ano e as outras em 2013 e 2014.
• Em assembleia no dia seguinte, a proposta foi integralmente rejeitada por unanimidade. Nesta mesma ocasião, os professores votaram pelo estado de greve.
 
Segunda tentativa
• No último dia 16, o governo do estado fez uma nova proposta aos professores. Paga 8% do reajuste de 22,22% para todos os servidores do estado, inclusive aos professores.
• Apenas para os educadores o estado está disposto a bancar o percentual de 14,22% (22,22% menos os 8%).
• O pagamento seria feito de forma parcelada, até dezembro do próximo ano. A primeira parcela seria quitada em agosto deste ano e a segunda somente em janeiro de 2013.
• No dia seguinte, em assembleia estadual, os docentes recusaram a proposta e votaram pela greve, a partir de hoje.
• No ano passado, a paralisação da categoria durou 62 dias. Foi uma das maiores greves já feitas pelos professores em Santa Catarina nos últimos 20 anos.
 
No estado
• Quantidade de alunos: aproximadamente 640 mil.
• Quantidade de escolas: são, no total, 1.102 instituições de ensino (médio, Ceja, Cedup e Eja).
• Quantidade de professores: são 15.446 mil educadores em atuação e mais 18.466 em contrato temporário.
 
* Quanto ao número total de professores no estado, não estão computados os docentes que ocupam outros cargos, como assistentes pedagógicos e diretores, por exemplo. Representa apenas os professores que estão em sala de aula.
 
Fonte: Sistema de Gestão Educacional de Santa Catarina (Sisgesc) da secretaria estadual de educação (SED). Os números são referentes a este mês.
 
Na regional de Tubarão
• Quantidade de alunos: aproximadamente 19.444 estudantes.
• Quantidade de escolas: são 43 instituições (médio, Ceja e Cedup).
• Quantidade de professores: aproximadamente 909 docentes, entre efetivos e ACTs.
 
Na regional de Braço do Norte
Quantidade de alunos: aproximadamente 7.399 estudantes.
Quantidade de escolas: são 15 instituições (médio e Eja).
Quantidade de professores: aproximadamente 336 docentes, entre efetivos e ACTs.
 
Na regional de Laguna
Quantidade de alunos: aproximadamente 15.520 estudantes.
Quantidade de escolas: são 31 escolas (médio, Ceja e Eja).
Quantidade de professores: aproximadamente 661 docentes, entre efetivos e ACTs.