Foto: James Tavares/Secom/Notisul
Foto: James Tavares/Secom/Notisul

 

Imbituba
 
Para impedir prejuízos sociais como a perda de 18 mil empregos diretos em Santa Catarina, o governo realizou ontem uma reunião entre estado, sociedade civil organizada, empresas e deputados, para discutir como lidar com os problemas gerados pela aprovação da resolução 72, do senado. 
 
O encontro terminou com duas medidas acordadas: a primeira é a criação de um grupo de trabalho para trazer soluções e fortalecer os setores atingidos. A segunda é busca criar um mecanismo de crédito com condições especiais para os prejudicados.
 
O grupo de trabalho terá 30 dias para construir um plano de ações para fortalecer os setores de logística e comércio exterior, além das indústrias que hoje se beneficiam da importação de matéria-prima para produzir conteúdo manufaturado mais competitivo.
 
Em Imbituba, o grupo de trabalho começa a ser organizado já nesta semana, antecipa o prefeito José Roberto Martins (PSDB). “Vamos reunir a comunidade portuária para levantar sugestões e minimizar o grande impacto desta resolução”, confirma Beto.
 
Uma das medidas que podem ser adotadas, por exemplo, é a redução da alíquota do Imposto Sobre Serviços (ISS), que é municipal, sobre o setor de importação. Mas não existe nada confirmado ainda.
 
Beto prevê que Imbituba terá um prejuízo mensal de R$ 500 mil em arrecadação, a partir de janeiro do próximo ano, quando a resolução entra em vigor. Já o Porto estima uma  queda de 15% na movimentação de cargas.